9.2.17

VILA EUCLIDES



Ventura Picasso
O que foi feito das leis?

A força bruta e cínica da injustiça contra, uma operária e Primeira Dama do país, pessoa simples. Policiais federais desrespeitando e subtraindo seus direitos, produziu o martírio, possivelmente inesperado, resultando num AVC fatal. 
Helicópteros não causaram o medo esperado

Juízes deslumbrados, milionários em seus afazeres, desprovidos de compaixão, perdem numa disputa desumana, a oportunidade de interrogar uma dona de casa.

Justiçada antes de Lula o operário Presidente, Marisa abre uma nova realidade social, ela pede justiça! 

Seria um grande sucesso midiático a destruição total da epopeia Lula/PT?

O delegado da Polícia Federal, Igor Romário de Paula, apoiador da candidatura de Aécio, afirmou que dentro de 30 ou 60 dias o ex-presidente Lula será preso.

Marisa e sua morte não estavam na pauta. 

A morte sempre é mais forte e se apresenta aos vivos sem data, hora e lugar; é soberana. 

Marisa Letícia não será mais interrogada por Moro, Dallagnol ou Igor de Paula.

A frase assassina de Igor supera o cinismo de Moro que liberou para a mídia um diálogo íntimo entre Marisa e seu filho. 

COVARDES!

A conjuntura virou. Não foi suicídio foi a tortura que enlouqueceu e a fez vítima, até agora, sem explicações. Quem vai para o PowerPoint provar que a PF não matou Marisa Letícia? 

A prepotência dos senhores das leis, mais que isso, os donos das leis, por mera convicção imprudente, com suposto direito de perseguir impunimente, arrogantes querem saber do pedalinho. 

Pela Teoria do Domínio do Fato, de Joaquim Barbosa com sangue nos olhos: o Juiz é a lei! Não tem limites, sem controles são absolutos, em seus departamentos.

Sergio Moro é vaidoso. Freud se estimulado responderá vaidade (?):” O poder do dinheiro, o poder sobre os destinos dos outros e por fim o domínio do sexo”. Ele é imbatível, inigualável belíssimo.
       
O preconceito explicito exalado por alguns analistas patrícios, ao opinar, como na crônica encomendada pelo jornal à professora, imaginando-se intelectualmente sábia e qualificada concluía: Marisa Letícia poderia ser tudo, menos primeira dama.  
     
O Estádio Vila Euclides está à nossa espera. É a nossa terra. Como Moises à procura da Terra Prometida atravessou o Mar Vermelho. 

Os fantasmas de 1980 fazem vigília. Exigem o nosso grito de liberdade, para alcança-la, precisamos romper atravessar os obstáculos concretos.

Estamos devendo explicações mais claras ao mundo.  

A força bruta e cínica da injustiça em forma de lei, pode ser modificada no gramado da Vila Euclides.  

O que foi feito das leis?

2119

12.1.17

NEPOTISMO



Ventura Picasso                                                                                     Dilador e São Silvestre  

HQ - PIRATAS DO TIETÊ
Foi dada a largada; como na corrida paulista na noite de 31 de dezembro. Silvestre o santo, refletindo sobre as dificuldades da época, estabeleceu que a última noite do ano seria o marco entre o passado e o futuro.

Feliz Ano Novo.

Vida nova, todo o mal seria incinerado excluído de nossas vidas.  

Mas nem tudo são flores coloridas. Na beira do Tietê observando o horizonte, surgiu um resto de excrescência que ultrapassou, do último para o primeiro dia do ano. 

Nepotismo, Dilador! 

A orelha do Ermenegildo Nava queimou.

A esperteza não acabou na noite de São Silvestre. O esperto está sempre alerta, como o velho escoteiro. Contando com ajuda de quem escreve e fala à sociedade, através de jornal etc., apareceu uma manchete:

“Nomeação de parente de secretário não é nepotismo”. 

Pelo título da matéria, o autor alisou com a mão direita, mas não bateu. 

O Marcelo Andorfato, que não brinca fazendo política foi o primeiro a sair da arapuca. Nepotismo?

Foi ao presidente do PEN e entregou o pedido de desfiliação da coisa. Não sei se foi aceito; Guilherme Franco da Costa Nava, recebeu o pedido, a coincidência de nomes é mera semelhança, ficou quieto.

A indicação dos parentes para entrar mandando na nova administração municipal, levantou e derramou o leite. Se há uma coisa que todos gostam é cargo público, daí o um traíra não perdeu tempo entregou.

Em nossa cultura, por tradição ninguém se suicida ou passa vergonha quando pego com a boca na botija: “Não fui eu”!; o grito do Nava.
  
O termo “sou inocente” ou “fui caluniado” serve para objetos mais sofisticados, rolo na Lava Jato etc., tipo concessão de terreno para alugar ao Estaleiro também entra.

O novo prefeito Dilador falou, mas não disse nada: “Sendo nepotismo” ...

O “não fui eu” do Ermenegildo não contemplou as ideias do doutor em história, Antonio Gasparetto Junior, que desconfia que é caso de 

NEPOTISMO CRUZADO. 

Pelo sim pelo não estou fechando com Marcelo, “assine aqui que é nepotismo”.

A última noite do ano seria o marco entre o passado e o futuro.

Não foi! 

1692

Foto - Pinterest - HQ Piratas do Tietê  

3.1.17

DILADOR



                                                                                         VENTURA PICASSO
“E AGORA, DILADOR”? (FOLHA DA REGIÃO)

Na primeira página do jornal, a pergunta sem resposta; foi um chamado para o conteúdo da página inteira: “...fazer mais com menos.”, A4 e 5.

Gostei do serviço prestado ao leitor pelo jornal. Coisa rara de ver atualmente. Uma página inteira no famoso formato standard, entrevistando o prefeito eleito, deixando uma coluna dupla de alto a baixo, pertencente ao Periscópio. Não sobrou um canto para a foto do Serra contando os 23 milhões estrangeiros.

No quesito ROTATIVO (termo carnavalesco), Dilador livrou-se de qualquer invertida que o jornalista Ronaldo Ruiz Garcia pudesse replicar, respondendo:

― “A zona azul tem um contrato. Foi feita uma licitação de dez anos. Contrato não é para ser quebrado”.

CONTRATO X DESTRATO, na forma da lei. (Dr. Jonair Nogueira Martins)

Em política tudo é negociado. Não se pode desobedecer um contrato ignorá-lo, simplesmente, sem receber uma punição. 
 
Porém, se a equipe jurídica do novo alcaide quiser, poderá prepara um DESTRADO.

Acompanhando a formação do novo núcleo administrativo, notei que vários integrantes que pertenceram ao governo Maluly Neto estão de volta em seus lugares. 
 
Entendo que tudo fica mais fácil com a ajuda desses novos/antigos secretários. 

Houve muitos erros e acertos na gestão Maluly. Na minha opinião a mais acertada foi o Estacionamento Rotativo Eletrônico FLEXPARK:’Fácil de usar  - Justo pra pagar’!

Deixo aqui uma sugestão ao jornalista Garcia: Selecione 10 pessoas com formação acadêmica, pós graduados, coloque-os frente a frente ao totem da Arapark, para retirarem um tíquete autorizando o estacionamento de ½ h.

É ruim de usar e injusto pra pagar, além de que a torre do ‘Serio’ fica sempre longe da vaga selecionada.  

1459