30.1.18

BALÕES AZUIS

VENTURA PICASSO
Blogueiras-Negras Amor e Luta
Verão na República, na correria anônima dos paulistanos, a invisibilidade humana transforma o cotidiano, na praça ninguém vê ninguém, os envolvidos nessa odisseia, concentrados em seus pensamentos, em vertiginosa correria seguem em busca de seus objetivos planejados.

O acúmulo de transeuntes, força uma marcha uniforme como se fosse militar. A casa de discos, a todo o volume, propagandeia o sucesso do momento: “Oh! Carol, I am but a fool “- Neil Sedaka – retumbante, na Parada de Sucessos, ao lado da H. Stern.

Caminhando, a uns dez passos à frente de Ivan, na mesma cadência. 

Que par de canelas!
 
O Czarina preto, marcava o toc-toc na calçada com seu salto 8, elegantíssimo, impondo o ritmo da massa.

Ela, naquele espaço, a única imagem concreta, entre milhares de seres invisíveis. 

― Cheirosa...

Mas algo imprevisto acontece. A potranca mudou o passo, do trote para o galope. As pernas, roliças, perderam o sincronismo. 

− O que é isso? 

No balanço dos quadris, descendo lentamente, aparece abaixo dos joelhos, sua anágua. Mais alguns passos e seu andar, a esta altura retorcendo os tornozelos, impossibilitado pela peça (quase) íntima, de um leve salto, sem sequer olhar à traz, livrou-se da tal abandonando-a.
     
Ivan, pacientemente, aguardava o desfecho do incidente, antevendo o desastre final, ou seja a queda total, a explosão da anágua ao desabar.

Gentilmente, recolhe a preciosa peça de seda gelo e vai ao encalço da mulher. 

Ela caminha embaraçada, cabisbaixa, derrotada pelo constrangedor evento, ao sentir a aproximação do homem, em vão, tenta apressar o passo, é alcançada.

― Aqui está sua roupa. 

Sem querer olhar, olha o rosto de Ivan, com voz trêmula agradece. Ajeita os óculos escuros, enrola a saia rapidamente guarda-a na Prada preta de mão casada com o Czarina.  
***
Os pacotes que carrega, a esta altura, prejudica a caminhada. Só falta chover.

O barulho ambiente, Neil Sedaka, buzinas pela Barão de Itapetininga, chegam à Xavier de Toledo, na calçada do Mappin, de cara com o bonde 14. 

O gigante condenado passa acelerado, bombando o sino estrepitosamente, à procura da Consolação. 

A garoa paulistana os recebe na entrada do Viaduto do Chá.  

Ele, inseguro, aproxima-se:

― “Quer ajuda”?  
― Não. Obrigado.

A caminhada é longa, ao passar pelo prédio da Light, venta forte revirando saias e guarda-chuvas, a garoa mais intensa e gelada, impossível evita-la, apesar de verão, causa arrepios.

Ela não confia no atrevido acompanhante.
− Parece ser educado e gentil. Enquanto não conseguem o que querem, todos são muito gentis.

Ele está muito curioso, gosta do estilo francês como ela se veste, discretamente predomina a cor preta, o casaquinho Chanel com meia manga, a saia chá demonstrando um bom gosto refinado. 

Para evitar a chuva, algumas pessoas correm entre a multidão. Os esbarrões são inevitáveis.  

Trocando de lado, os pacotes são pesados, exigindo uma força que ela não possui, caem e se espalham pelo chão. 

Atenciosamente, Ivan os recolhe e seguem calados em direção à Patriarca.  

O ônibus para o bairro Pinheiros já estava em movimento; parou. Ambos embarcam, cada um ao seu destino. 

Sem palavras, ocupa o penúltimo banco, apanha os pacotes que o estranho recolhera. Ele por sua vez avança, ultrapassa a catraca, e fica bem a frente, virado para trás observando o rosto da mulher.

Ao ser observada insistentemente, vez que outra os olhares se cruzavam, acaba cedendo e aceitando o ‘jogo sério’.

O lindo rosto agora altivo e sem timidez abandona o pudor e não está mais cabisbaixo. 

Ele lambe os lábios; ela sobe a sobrancelha.  
  
Mais alguns minutos, esboçando um discreto aceno, Ivan chega ao destino e desce do ônibus. 

Não há diálogo, o ônibus sumiu no transito intenso levando-a em seu interior, ele não imagina que poderia ter sido a última vez a ver aquela imagem. 

Mas ficou com a certeza de que a conhecia de algum lugar.

− Esse rosto... 

A música de Cazuza interfere outra vez, distraído entra na loja de departamentos para comprar ‘Oh Carol’ embaralhando os pensamentos sobre o problema; ‘O tempo não para’!  

***

Sem entender como foi parar no Largo 13, de taxi rumou para a zona leste. Lá chegando, em seu apartamento, os porteiros eufóricos o recebem, ajudam com a bagagem e acrescentam uma caixa de correspondências acumuladas por mais de trinta dias.
  
Tanto tempo fechado, o apartamento, cheira a mofo. Não há o que comer. O estoque de vinho esta baixo, mas encontra e abre um Clos de Torribas; desceu como agua. 

Liga à pizzaria Bella, encomenda uma de calabresa, tudo bem; não vê a hora de cair na cama.

Liga a TV para ‘ouvir’ um som – truque dos solitários. 

Finalmente chega a pizza e a cerveja. Num piscar d´olhos, foi meia calabresa e toda a cerveja.

Saiu do chuveiro e desmaiou na cama. Mal sabia que algo inimaginável iria acontecer.

Morfeu, um dos deuses dos sonhos e da morfina, o aguarda no leito, com cachimbo de bambu fumegando ópio; A fumaça transportada pelo vento como uma oração abre as portas do céu e aguça seus poderes. Atento à espera do pedido, como Zeus, para apresentar-se sob qualquer forma humana, Morfeu pergunta:

− Qual a forma preferida, senhor?
− De mulher!

Em poucos minutos, ainda molhado, apesar do verão 30°, Ivan acorda e vai à procura do banheiro. O corredor, ao qual deveria estar a porta do reservado, era outro. Chegou ao quarto de hóspedes, e nada de WC. Retornando, se dá conta de que não conhece aquele lugar. Novamente em seu quarto, sonambulando, retorna ao corredor. Um clarão assustador, uma atmosfera soturna, um silêncio tumular, esfumando uma nuvem que se dissipa branqueando e em seu meio, surge afinando o foco de uma imagem latente, a mulher nua que reconhece, e aparece com balões azuis. 

− É ela! 

Os batimentos acelerados, a boca seca, agora acordado, exausto segue naturalmente ao banheiro e volta à cama.

Foi sonho, realidade ou imaginação – foi macumba?

Como pode acontecer, uma alteração subliminal de porte, estando em sua casa, vivenciar com tanta naturalidade, a hospedagem do Nacional Palace, em Corumbá?

O cansaço, talvez ilustre esse lapso, mistura em seu pensamento, o quarto do hotel com o apartamento que reside. 
   
Nessa confusão de ‘sonho’ fantasia e desejo, ele descobre a origem da mulher. Passível, sem perceber que agora ela lacra, domina e ocupa um espaço em seu coração, abre o caminho da sedução, e se instala. 

A publicidade na TV mostra uma cozinha, um fogão e uma mulher demonstrando um produto de limpeza – Um sabão!

− O rosto mais lindo que já vi! 

***

Morar na periferia é uma preferência inegociável, um privilégio, o fim da rua o fascina. O clube da várzea, o salão de baile, os amigos e vizinhos, o barzinho aos domingos aberto até ao meio dia, supostamente, pertencem a mesma classe social.

A chuva aumenta, noite alta e o churrasco termina. Toma por empréstimo uma capa plástica e parte para casa.

Subindo a rua 40 muito escura, avista em sentido contrário um vulto, aparentemente enorme, uma mulher. 

A lenta aproximação, as dificuldades para caminhar com pouca luz, ao passar um pelo outro, ergue a cabeça ela passa. 

O perfume! “La Petite Robe Noire” (“Pretinho Básico”).

Numa fração de segundo recorda o passado, desde a queda da anágua na República ao ônibus na Patriarca.

A vida semelhante ao mar, balança no horizonte no vai e vem. A onda, leva e traz...

− Oi!

Ela estava distante alguns passos, parou, ergueu os olhos:

− Oi!

A música, como em todas as noites, invade o espaço romântico dos caçadores apaixonados. Serviços de Alto-falantes Flor da Vila. Algumas propagandas do comércio local e para acalmar o espírito, Jamelão:” Ela disse-me assim ...” – todas as noites no mesmo horário, até às 22h. 

O silêncio entre o casal é normal. Não houve diálogo, nunca houve. Eles estão paralisados, olhos nos olhos, estáticos.

− Como é linda!
− Ele é baixinho!

Só agora nota que ela é bem alta. Muito próximos um do outro, o perfume é aquele da casa Guerlain, o mesmo dos outros dias. A respiração ofegante, está presente em ambos.

Com as mãos acaricia o rosto, ela cobre as mãos dele, e ficam colados, hipnotizados. 

Para ela o mundo parou, o ‘barulho do silêncio’ traz ao longe um novo som. Uma música celestial, sonante ao longe, suavemente, ela enquanto bailarina reconhece o ‘Repertório’, do cubano Ernesto Lecuona, “decantando paixões”, Siempre em mi corazon.

A emoção não permite distinguir se sonho ou realidade. Lecuona, infelizmente, jamais tocará na Flor.

− Onde estou?  

 Vaga-lumes e estrelas brindam o início da festa. Festa do amor, Ivan e sua companheira são os únicos habitantes do planeta. 

A pureza do sentimento de ambos, uma poesia de Neruda. Em nenhum momento a saudades frequentou os sentimentos deles. Não houve espera, ansiedade, dúvida, cobranças ou impaciência. Não tinham compromisso. O tempo, simplesmente, passou sem calendário.  
  
Por fim, o abraço.

Ivan, sentindo-se seguro, admirado e pensativo, sente o gosto da vitória. Pensei que não seria possível:

Essa negra, é a mais linda diarista de TV.

Ficamos, para toda a vida...


7470


 

8.12.17

GIGOLOTAGEM




VENTURA PICASSO
O rico e o pobre
A queda da Bastilha. Paris, 14 de julho de 1789; a sociedade enlouquecida avança sobre a fortaleza e a destrói. Foi o 1º ato da Revolução Francesa. 

A elite governante, tirou tudo o que foi possível da nação, sugou até a última gota de sangue de cada cidadão, não esperava a reação tão poderosa do trabalhador francês.

“Qualquer semelhança com o ‘VAMPIRO’ de Brasília, é mera coincidência”. 

A nossa derrota política, a destruição do Brasil, começa no fatídico dia 1º de janeiro de 1995. O PSDB elegeu, para presidente da república, Fernando Henrique Cardoso. 

Descobridor da PETROBRAX.

O núcleo duro do governo era comandado com mãos de ferro, o falecido Sergio Motta (1940-1998), o maior entusiasta do estado mínimo. Disposto a implantar, a toque de caixa, o neoliberalismo econômico privatizando todas as empresas estatais.

Esquecemos, faz tempo, acusado de falsificação do índice de inflação de 24,8 para 14%, refletido no salário de todos os brasileiros. O santo do ‘Milagre Econômico’, Delfim Neto comandou, também, a embaixada 10%, de 1974-1979 na luminosa Paris. 

Michel Temer, subtraiu R$14,00 (Quatorze reais) do Salário Mínimo, como Delfim; O valor inicial, que era de R$ 979, foi reduzido para R$ 965 e pode diminuir mais até o fim do ano. Não esqueça que é um valor básico, para reajuste de numerosas taxas e tarifas, contra a nação.

‘Desgraça pouca é bobagem’, a senha da embaixada francesa foi a famosa e conhecida taxa dos ‘dez por cento’, deletada da nossa memória (não temos memória?); causa constrangimento ao ex-embaixador, ao saber que milhões de dólares desaparecem levados nas malas pelos ladrões herdeiros de Ulisses, do antigo MDB. 

Partido diluído entre siglas e comparsas de várias organizações comandadas por políticos ladrões. 

Caíram no esquecimento, pagas com ‘Moeda Podre Subsidiada’, as privatizações da Vale da CSN e outras.  

Não esqueça: PMDB – PSDB – PPS – DEM estão unidos para ‘estancar a sangria’. 

Entramos no mundo novo do FHC, Serra, Alkmin, Aécio, Eduardo Cunha, Aloysio Nunes, Sérgio Moro, Temer, Anastasia, Gilmar Mendes, Pedro Parente, ‘jornalistas’, publicitários e os ministros da presidência etc.

"Nada se cria, tudo se transforma", Antoine Lavoisier; “Nada se cria, tudo se copia”, Chacrinha.

Todos os dias o golpe avança um ponto, um lawfare.

Não existem denúncias de corrupção apenas eventos policialescos triviais, que para nós, já não chegam sequer a ser escândalo. Perdemos a capacidade de entender e classificar escândalos, a nossa dignidade virou cinzas. Estamos embrutecidos. Damos ordens a Deus.

A peça mais importante do governo Temer é a ‘Mala de Dinheiro’. 

Deputado preso no semiaberto, Celso Jocob foi o voto 171 para livrar a cara do Temer. A gíria popular indicada pelo “171” se refere a um malandro safado. Não é mentira, para segurar o golpista no Jaburu, vale até beijo na boca. 

Como aceitar a existência e os votos em plenário de um deputado federal ‘preso’? É festa no terreiro da tribo dos larápios. Vai, Jaburu!

Ficamos calados?

O cinismo é um desafio à nossa dignidade. De todos os indicados a ministros, após o golpe de 2016, a carta de apresentação é a folha corrida, sob certificação de Temer, “que conhece e sabe lidar com bandidos”. 
  
Os direitos humanos não seriam esquecidos. Dos braços do chefe da máfia do Leblon, para os abraços de Temer. Não lhes faltam qualidades. Servidor público que quer ficar rico; ‘servir o povo’ são outros quinhentos: “não nasci para servir, não sou escrava”!

Lá vai ela, pelo chão de terra, devidamente qualificada, mais uma. Luislinda ganhou um ministério, obaaa! Quais os ‘direitos dos humanos’ que ela aprendeu a defender ao lado do Aécio? 

Dono da agência Prole, que atendia o governo de Sergio Cabral, também delatou o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, Paulo Skaf. Foi Pereira quem criou a campanha "não vou pagar o pato”.

Segundo Renato Pereira, Skaf fraudou a licitação de publicidade do Sesi e do Senai - a campanha "não vou pagar o pato", que colocou patos amarelos nas ruas estimulando o golpe de 2016 contra a democracia brasileira, agora paga a publicidade do candidato ao governo de SP.

Arrastava a sandália na calçada/e você não dizia nada/porque o governo era seu...

Zanin afirmou que o assunto não comporta mais discussão, os recibos originais comprovando os pagamentos dos alugueis, já foram entregues à Justiça. O Lula não pagou, você acha? 

Voam penas do PSDB. Lembra do aborto da esposa do candidato?

Jorge Mudalen - Igreja Internacional da Graça, do pastor RR Soares - disse que a mudança na Constituição não interfere diretamente no que está previsto no Código Penal. Ele, no entanto, reconheceu que a partir da mudança na Constituição, qualquer um poderá questionar no Judiciário a legislação vigente que permite a interrupção da gravidez. "Você pode questionar tudo na Justiça", desconversou.

Cachorro da Dilma

Inacreditável que um deputado “impixista” tenha feito contra ela uma denúncia no Supremo por crueldade com os animais pelo fato de Nego ter sido sacrificado (como milhares de outros são), por orientação de um veterinário. 

O líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), prometeu retaliar: "Se acabar o foro, é para todo mundo. Suruba é suruba. Aí é todo mundo na suruba, boca livre, sem essa de suruba selecionada". Finíssimo!

"Regra para todo mundo (a restrição do foro privilegiado) para mim não tem problema.


GIGOLOTAGEM – não conheço essa palavra. Pode ser algo relacionado ao Geddel, ao Jucá ou a outrem – talvez se refere àquele que é sustentado por sua amante, o Brasil!

Recordar é viver, lembra?
4755