21.12.10

Crônicas d’alma


DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO

-Nos momentos de maior tensão nervosa, quando o emocional elimina a razão, certamente, não é hora de se tomar decisões importantes. Aguardei até hoje para manifestar minha indignação, sobre o ideário político de artigos infalíveis, revelados pela mídia, criados por pessoas especiais para mim, durante a campanha eleitoral. O discurso dogmático resultou, lamentavelmente, nas ultimas e cruéis agressões contra gays, atualizando entre religiosos radicais, uma má e antiga consciência contra os diferentes. Os caçadores de votos, enrustidos ou disfarçados, procuravam através da mentira seduzir os eleitores.
-A internet é um veículo de comunicação social que contempla a total liberdade de expressão, incontrolável, neste século. O acontecimento mais recente escancara o cinismo, bélico, politico e diplomático, norte americano. Wikileaks repassa: “A bordo de um helicóptero Apache, soldados mercenários norte americanos, assassinaram 12 pessoas, incluindo um fotógrafo da Reuters Namir Noor-Eldeen e seu motorista, Saeed Chmagh. Duas crianças também ficaram feridas”. Cenas covardes rodando o mundo pelo YouTube, o início ou a abertura de uma ópera trágica de notícias, vindas do Iraque do Afeganistão e da Palestina, que os americanos já não conseguem controlar ou esconder.
-Entre nós, a campanha eleitoral de 2010, ou melhor, entre os homens de bem, decepcionou. A guerra envolvendo conservadores e progressistas despertou a ira dos homófobos. A selvageria que divide a humanidade provocada por crentes fundamentalistas, presente em todas as religiões, assanhadas pelo discurso fascista, buscando a qualquer preço os votos dessa massa, facilmente manobrável, desde as grandes organizações ‘sagradas’ até as menores instituições seguidoras de crenças populares (ou seitas religiosas).
-Pseudos intelectuais oportunistas, com formação escolar privilegiada, que supõem conhecer tudo, na onda virtual das redes sociais com seus blogs, Twitters e Faceboock, despacham artigos para jornais e revistas, mas infelizmente não se conhecem e são vítimas do próprio ódio. Revelando seus pensamentos, os textos expõem a verdade de suas vidas privadas, e suas ideologias. Na janela aberta do coração, Freud pode ler em cada alma, a crônica editada. Eu mesmo preciso encontrar meu eu, para avaliar meus princípios, e refletir sobre minha ignorância, mesmo sabendo que entre o espirito e o fígado não há diálogo.
-Não foi possível, para mim, aceitar os temas que nortearam os debates ‘políticos’. A discriminação e o preconceito, expressadas por esses ‘professores’ (pobres alunos), de um lado contra o aborto e de outro a favor da homofobia. A pedofilia ficou fora. Faltou muito pouco para se debater outras questões éticas como a eutanásia, a contracepção, a clonagem, a homossexualidade e a bruxaria. O Estado é laico, contra a vontade papal, mas a moeda recomenda: “Deus seja louvado”.
-Folha/Gospel: ”Conselho dos Pastores de São Paulo estima que cerca de 80 mil pastores em SP apoiem Serra”. Apoio vendido. Essas organizações trocam o apoio por alguma vantagem. Nada doam ao Partido, tomam do Partido e do Estado. Não se trata de uma atividade política ideológica correta, mas de chantagem eleitoral, enganam e entregam os votos, de curral, dos seus adeptos (igreja).
-Como suborno descarado, publicamente, os coordenadores da campanha eleitoral ofereciam vantagens materiais para líderes religiosos e comunitários: “A campanha de José Serra oferece benefícios a igrejas evangélicas e a entidades a elas ligadas em troca de apoio de pastores à candidatura tucana. O mesmo que foi feito na campanha do governador eleito Geraldo Alckmin”. Até hoje não ouvi sequer um desmentido, negando essa traição; Até quando?
-É difícil sobreviver politicamente nesse ambiente. A história universal nos informa que as instituições religiosas, no passado, administravam as nações e só se preocupavam com a vida após a morte. As indulgências deixaram uma cicatriz hipertrofiada queloide, inesquecível, por todo o sempre. O arianismo, a doutrina da ‘raça pura’ (1934-1944), segundo os nazistas ligados à seleção racial, foi submetida a qual denominação religiosa?
-Há algo de podre no reino prometido. Não acredito que todas as tendências cristãs estejam irmanadas e desinteressadas pelo poder político. Sabemos que há uma variedade de lobbys religiosos em nosso universo republicano. A disputa por esse espaço, já é uma verdade e não é ecumênica. Embora afinando o discurso contra o progresso libertador social, nunca estarão unidas em seus princípios fundamentalistas. A luta, em campo aberto, entre cristãos está cada vez mais próxima da nação brasileira.
-Antes do discurso manipulador, enquanto há tempo, os verdadeiros líderes laicos possam impedir a má consciência ativada pelos falsos profetas, e refazer a trajetória democrática de uma nação multiétnica.
Ventura Picasso – Secretário geral do SINTAPI-CUT Base Araçatuba.
4218

12.12.10

Kátia Abreu recebe a Motosserra de Ouro


Para quem achou que eu havia esquecido…

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, recebeu na quinta (8), o prêmio Motosserra de Ouro, por sua “defesa incansável por mudanças no Código Florestal, que resultará em mais desmatamentos no Brasil”. A entrega do galardão ficou por conta de uma ativista dos direitos indígenas da Amazônia no lobby do hotel em que a senadora estava hospedada em Cancún, no México, durante a convenção do clima das Nações Unidas (COP-16) – que terminou na madrugada deste sábado (11). Irritada, Kátia não aceitou o prêmio.

Em 2005, o ex-governador e senador eleito, Blairo Maggi ganhou o prêmio. O protesto foi organizado pelo Greenpeace com o apoio do Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) e da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).

11/12/2010 - 12:21

http://blogdosakamoto.uol.com.br

Leonardo Sakamoto é coordenador da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo.

11.11.10

Tiririca sim, mamãe

VENTURA PICASSO

Tiririca escreveu e leu, e ainda mais, falou ao magistrado o que leu. Foi à moda antiga: Exame escrito e oral. Formidável, o deputado mais votado do Brasil, em 2010, não é analfabeto funcional. Certamente não estudou em São Paulo, sob o signo tucano, na roleta progressiva do ‘jênio’.
A erudição do candidato preferido pela maioria surpreendeu a plateia não só na geral, mas até no picadeiro. O texto do ditado ‘sorteado’ para o exame no TRE foi um paragrafo da página 52 do livro editado pelo tribunal: “Justiça Eleitoral, uma retrospectiva”. Covardia.

O vocabulário usado entre os agentes do judiciário é coisa restrita, só eles entendem o que escrevem. Seria justo que a justiça elegesse um texto popular para o nosso candidato a deputado federal, e suspeito analfabeto, que tem na mochila mais de um milhão e trezentos mil votos.

Por que não: “A macaca é má”, da Beneticta Sthal Sodré, na Cartilha Sodré da Companhia Editora Nacional (1960). Nada a ver com a Ponte Preta de Campinas, alcunhada de macaca má. Ele passou algumas horas nas dependências do tribunal. Torturando a caneta arranhando letras ludicamente. Coisas que ele não fará na Câmara. O que é democracia?

O recordista de votos de 2010, com diploma de motorista de ônibus e de caminhão, ele, como tantos outros é um legitimo representante da espécie humana. Seus eleitores, certamente, votaram no personagem e não no artista. É proibido? Não podemos ter no congresso um palhaço? A ficha do candidato sumiu? Palhaço não tem dignidade, integridade moral, sensibilidade social?

A tentativa de impedir a posse de Tiririca foi o último ato de uma ópera fantástica. A frase da campanha que fica na lembrança: “Serra não, mamãe”! Nós que não temos automóvel, e mesmo assim pagamos pedágio paulista incluso nas prestações das Casas Bahia, apoiamos o deputado Tiririca e o acerto dos seus eleitores. Acabamos de receber uma grande lição que o direito ao voto deixou e, a certeza de que o deputado não entrou na roleta progressiva das escolas do ‘Jênio’. “Tiririca sim, mamãe”!
Ventura Picasso
1724

1.11.10


Voto roubado
Ventura Picasso
Acompanho como militante, desde muito jovem, a vida politica brasileira. Repetindo a mesma frase de tantos, que como eu, estão aturdidos com as mentiras, os vídeos e o vocabulário usado nessa contenda: As eleições, para presidente da república em 2010, não aconteceram. O ex-candidato José Serra, após uma metamorfose estática, ao revelar o seu lado esquisito, sozinho e em seu claustro na sua paróquia tirou pra dançar, ao próprio Papa, o rei do Vaticano. Certamente, esse beato, sonhava com a canonização. Um santo.
A falsidade demonstrada intrigou até o mais inocente dos eleitores. Frequentou quermesses, procissões, comungou em Aparecida, beijou santo no nordeste, consolou e beijou Aécio em Minas, insolente abraçou Geraldo na despedida da derrota. Abusado, ridiculamente, abusado. Morava na Mooca, se morasse no Tatuapé ele seria diferente. No meu bairro as meninas eram respeitadas. Fomos educados: primeiro os mais velhos e as mulheres. Beijo de Judas, nem pensar.
Mulher não entra! Ora? E agora? Não sabia o que fazer com uma mulher guerrilheira. Seria ela estrangeira? Búlgara? Comunista? No mínimo deu talidomida pra mãe do Saci. Ela é a favor do aborto, do casamento gay (união civil de pessoas do mesmo sexo) e, não acredita em Deus! Esse era o mote da campanha tucana. Um roubo!
Como diria o Presidente Lula: ‘nunca, jamais, em tempo algum, alguém poderia imaginar o rumo do debate entre os presidenciáveis’. Eleito com um milhão e trezentos mil votos, assustado com a performance eleitoral, apareceu Tiririca: “Serra não mamãe”! Tiririca, um escravo da verdade, na sua simplicidade diz que não sabe nada, sabiamente, conclui que Serra jamais será presidente.
“Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar todas por todo o tempo.” Não sei de quem é, mas é a frase da hora.
Não deu desta vez, apesar dos votos roubados, e nunca dará. O preconceito nacional contra a mulher, cientificamente dirigido, foi derrotado pelo voto dos quinze milhões de novos empregos com carteira assinada. Nas manchetes da imprensa derrotada, o PIG (Partido da Imprensa Golpista) não perdoa, o destaque da mulher eleita presidenta.
Pode ser que, de agora em diante, a mulherada tome gosto pelo poder. Não é possível entender como não houve uma enxurrada de votos femininos nas urnas da Dilma. Ela é a heroína da resistência brasileira contra a ditadura assassina. Ofereceu a vida, perdeu a liberdade, foi supliciada em nome de um ideal, e o nosso voto, o meu e o das mulheres seria o reconhecimento, mínimo, de tudo o que ela fez pela pátria.
Repetindo a mesma frase de tantos, que como eu, estão aturdidos com as mentiras, os vídeos e o vocabulário usado nessa contenda: As eleições, para presidente da república em 2010, não aconteceram. José Serra, do alto da sua arrogância, no frio reconhecimento da vitória de Dilma mulher, isso mesmo, o fujão perdeu de mulher, declamou com cara de santo, cínico e ligeiramente desenxabido o verso do Hino Nacional: “Verás que um filho teu não foge a luta”.
Veio bem a calhar, ele nunca mais será o mesmo. Certamente, esse beato, sonhava com a sua canonização. Um santo.
Dilma Rousseff foi incluída entre os 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009, pela Revista Época.
Ventura Picasso 2724




27.10.10

Dilma,
a primeira presidenta do Brasil?
CARTA CAPITAL
Quarta-Feira, 27 de Outubro de 2010

A práxis é de negar papeis de mando às mulheres, mas Dilma ocupou cargos, tipicamente exercidos por homens. Ela construiu sua história com esforços contínuos diante dos embates diários, não apenas humanos, mas, sobretudo, femininos. A dedicação apaixonada a uma causa é o que distingue a pessoa que tem vocação daquela que possui um emprego, vive da política, como os políticos profissionais. Dilma não é uma política profissional, militou desde a ditadura por vocação, imprimindo um significado pessoal para sua vida: acabar com as formas de discriminação e desigualdades.
Katarina Pitasse Fragoso e Nathália Sanglard.


A construção das relações sociais é configurada por uma dialética entre opostos – alter e ego, senhor e escravo, homem e mulher – que, no entanto, não implica na supremacia de um lado sobre o outro, já que a definição é dada pela composição das forças a partir de diálogos.Todavia, historicamente, o homem se (im)pôs como senhor, edificando o projeto de reinar sobre o instante e construir o futuro. Nesse cenário, a mulher estava submetida à restrição dada pelos padrões opressores consagrados pela cultura patriarcal.
Durante séculos, a mulher suportou seu destino social de se ater ao zelo da esfera doméstica. O preparo desse lócus inicia-se já na infância, pois até mesmo os brinquedos dedicados às meninas fazem alusão ao papel que a sociedade relegava a elas, que não variavam entre panelas e bonecas.
Contudo, a mulher identificou o mal-estar de que algo estava errado e lançou-se para adquirir sua liberdade, seu direito de ir e vir. Esta consciência de transcender as tarefas domésticas ganha força, no século XIX e início do XX, com a reivindicação dos movimentos feministas que visavam, sobretudo, a igualdade de tratamento entre os gêneros. Esse era o início de um embate entre as mulheres e os valores construídos pela sociedade dominada pelos homens.
Ao longo dos últimos anos, a mulher foi, gradativamente, ocupando espaços sociais. Um passo histórico para o reconhecimento dos direitos das mulheres, bem como das demais supostas “minorias”, foi conquistado com o surgimento da ONU, em 1945. Tal cenário possibilitou um novo ponto de vista: o respeito das diferenças.
No Brasil, a referida conjuntura também foi experimentada. Tivemos momentos os quais foram importantes para o avanço das lutas das mulheres brasileiras, como a realização da Semana de Arte Moderna, em São Paulo, que buscou, especialmente, incentivar o progresso no campo cultural a partir de mudanças dos costumes sociais. Dentro desse quadro, a Semana atribuiu grande projeção a figuras femininas da época, como Tarsila do Amaral e Anita Malfatti.
Uma demanda que sempre esteve na pauta das mulheres foi adquirir direitos políticos plenos, ou seja, votar e ser votada. O esforço das mulheres para atingir o sufrágio significava, sobretudo, a independência ideológica, o ingresso nas participações públicas para decidir, assim como os homens, sobre as questões sociais relevantes (1).
O direito ao voto das brasileiras foi assegurado em 1932, mas ele ainda continha diversas reservas, pois apenas as mulheres casadas com autorização dos maridos e algumas solteiras e viúvas com posses detinham tal direito. Em 1934, o modelo anterior foi eliminado e o voto feminino passou a ser obrigatório para as mulheres que ocupassem cargos públicos. Só com a Constituição de 1946 o voto feminino ganhou amplitude (2).
Entretanto, mesmo com o direito ao voto, a mulher só ganha plenamente seu direito político em 1988, ano em que mulheres foram eleitas para legislar na Câmara dos Deputados. Em 1990, tivemos a primeira senadora e, em 1994, a primeira governadora (3).
Em 2010, temos uma eleição importantíssima, já que, pela primeira vez, presenciamos uma candidata no segundo turno com chance de ocupar o cargo da presidência brasileira. Mas, para que isto aconteça, o homem deve encarar a mulher como seu semelhante, como igual. Pois, em sendo a mulher vista como sujeito, como parte, então é possível a reciprocidade, em virtude de a relação ser pautada por sujeitos iguais (4). As mulheres devem, portanto, identificar essa potencialidade e se unir para conquistar mais esse espaço que tradicionalmente não possuem.
A práxis é de negar papeis de mando às mulheres, mas Dilma ocupou esses cargos, tipicamente exercidos por homens. Ela é uma representante preparada, em virtude de haver construído sua história com esforços contínuos diante dos embates diários, não apenas humanos, mas, sobretudo, femininos.
A dedicação apaixonada a uma causa é o que distingue a pessoa que tem vocação daquela que possui um emprego, vive da política, como os políticos profissionais. Dilma não é uma política profissional, militou desde a ditadura por vocação, imprimindo um significado pessoal (5) para sua vida: acabar com as formas de discriminação e desigualdades que muitas vezes, por interesses velados, a sociedade não quer equacionar.
Hoje, apesar das diversas contribuições sociais, a verificação de dificuldades urgentes exige transformações institucionais e esforços da comunidade. É necessária a dialética entre o alter e o ego, entre o homem e a mulher, entre a sociedade e o cidadão. Mulheres e homens brasileiros, devemos nos unir para conquistar mais um marco histórico: Dilma presidenta.


NOTAS

(1) Uma causa legitimamente feminista.(2) CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.(3) Idem.(4) BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.(5) Para Weber somente tem vocação aquele que serve a uma causa e torna sua a causa a que serve, que lhe dá significado pessoal e dedica-se apaixonadamente a ela. (WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cutrix, 2004)(*) Katarina Pitasse Fragoso é graduanda do curso de Direito da Universidade Federal Fluminense e do curso de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: katepitasse@hotmail.com(**) Nathália Sanglard é graduanda do curso de Direito da Universidade Federal Fluminense e do curso de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. E-mail: nathaliasanglard@gmail.com

24.10.10


Pedro e o Globo
24/10/2010
Pedro, pastor de ovelhas, todo dia enganava a população gritando: “Olha o lobo!”. No dia em que o lobo apareceu, efetivamente, ninguém acreditou nos seus gritos. Quem acredita num mentiroso contumaz? Lembrei-me dessa história vendo o Jornal Nacional e a primeira página de O Globo, nessa sexta-feira. Assim, quando no domingo, 24 de outubro, o Globo escrever que é domingo, 24 de outubro, duvide, procure outras fontes antes de vestir sua roupa dominical.

Por José Ribamar Bessa Freire (*)

“A política é a melhor alternativa que a humanidade encontrou para substituir o maior prazer que um ser humano pode ter: bater até à morte para depois comer o fígado do outro, abocanhando-o com a carne ainda quente e o sangue ainda fresco. Quem não está disposto a reconhecer isso, não consegue superar a própria vontade de devorar o outro. Por isso, se num debate político te chamo de criminoso e te xingo, fica contente, isso ainda é melhor do que você ser servido à minha mesa”.
Quem diz isso é meu amigo Henrique Sobreira, professor da UERJ, crítico, irônico, debochado, passional, lúcido, gozador e, sobretudo, fazedor de frases. Para relativizar a oposição entre civilização e barbárie, Henrique lembra que os maiores atos de violência humana sempre foram cometidos por pessoas que se autoproclamaram civilizadas e consideram que “o outro” era alguém que devia ser “educado”. Isso pode ser comprovado nos últimos cinco séculos: de Isabel - a Católica e Dom Manoel - o Venturoso, até os Georges Bushinho e Bushão. Os índios e os mulçumanos que o digam.
No Brasil, pelo menos nas campanhas eleitorais, a política substituiu a antropofagia. Salvo o bispo de sugestivo nome Sardinha, ninguém foi jantado e devorado pelo adversário, ainda que pequenas violências realizadas dentro de certos limites e hipócrita ou sinceramente condenáveis, tenham sido cometidas ao longo da história, como mostram exemplos mais recentes.
Cantando “espada de ouro quem tem é o marechal”, eleitores do marechal Lott cuspiram na cara de Jânio Quadros; o general Figueiredo chamou os estudantes de Florianópolis pra porrada; jogaram ovo e apedrejaram o Mário Covas; atiraram uma galinha preta na Marta Suplicy; esbofetearam o Collor em Niterói; lançaram uma torta na cara do Berzoini, então presidente do PT. Um velhinho deu umas bordoadas no Zé Dirceu. Vaiaram o presidente Lula na abertura do PAN. Esses gestos de violência não deixaram sequelas físicas ou morais.

Dois Serra

Um dia, caminhando pelo calçadão de Icaraí, em Niterói, encontrei um amigo, também professor da Uerj, Ronaldo Coutinho, um doce radical, que se arrastava, todo esparadrapado, exibindo hematomas pelo corpo. Dias antes, ele havia dado um soco no Collor e os seguranças moeram-lhe o corpo de porrada. Apesar de dolorido, estava feliz, feliz da vida: “estou quebrado, mas acertei o pústula” – dizia, rindo, como um menino travesso. Confesso que fiquei na fronteira da política e do canibalismo, quando invejei a façanha do Coutinho. Ele fez o que eu e a metade do povo brasileiro queríamos fazer. Estou orgulhoso de ser seu amigo.
E isso porque a bofetada no Collor foi mais simbólica do que física, se situou entre a sapatada no Bushinho e a estatueta de metal lançada contra o Berlusconi na Itália. Agora acertaram José Serra com uma bolinha de papel, que assumiu várias formas: “fita adesiva”, “artefato”, “tampa de garrafão de água mineral”, “objeto contundente”, “projétil”, até chegar a uma “bobina de papel crepe que arremessada com força pode provocar danos graves na pessoa atingida” segundo o bobinólogo Merval Pereira, articulista do jornal O GLOBO. E é aqui que o fiofó da cotia assovia, ou como poderia dizer Orozimbo Nonato: Hic culum cotiae sibilare.
A cotia assovia quando digo que admiro o José Serra. Sinceramente. Sem ironia. Juro. Faço um juramento amazônico: quero ver minha mãe mortinha no inferno, quero que Santa Luzia me cegue se estou mentindo. Mas o Serra que eu admiro é o de carne e osso, que nasceu pobre, filho de um feirante, ex-presidente da UNE, que amargou o exílio, lutou pela redemocratização do país, foi deputado, senador, prefeito, governador, ministro da saúde – bom ministro. Aquele que no início da campanha reconhecia os acertos do governo Lula. Nesse até que dava pra votar. Mas ele não é candidato.
O candidato é o outro Serra, aquele conivente com a mídia conservadora - que o inventou - comprometido com interesses dos setores mais atrasados e obscurantistas do país, arrogante, gigolô do sagrado e da religião, dono da verdade. Aquele cuja mulher declara que a adversária é a favor de matar criancinhas, que quando questionado sobre isso posa de vítima e baixa o nível do debate, que usa o tema do aborto no palanque eleitoral, que se deixa liderar pelo seu vice Índio da Costa – um paspalhão – em política externa e de segurança. E ai Serra perdeu: na emblemática escolha do vice.

A credibilidade

Nesse outro Serra, metamorfoseado em Opus Dei, que espetaculariza sua fé na Virgem de Aparecida, eu não voto, embora o respeite, porque ele é o candidato de mais de 40 milhões de brasileiros, alguns deles amigos muito próximos, com quem mantenho fortes laços afetivos, mesmo se nesse momento um de nós vai pra lá e o outro vem pra cá. No Serra que não voto é no Serra da Rede Globo, que arma, desinforma sataniza, que zomba da minha inteligência, que acha que o cidadão é um otário, que esqueceu os gritos do povo nos comícios das Diretas Já:
“O povo não é bobo, abaixo a TV Globo”.

Nessa semana, os telejornais da Rede Record e do SBT mostraram que Serra foi atingido por uma bolinha de papel atirada por um grupo de mata-mosquito que ele demitiu quando ministro da Saúde. O Jornal Nacional dedicou sete longos e caríssimos minutos para “provar” que a bolinha de papel era só parte da história, tinha havido outra agressão. Apresentou imagens nebulosas, interpretadas por um perito de reputação duvidosa, que diz que está vendo aquilo que não estou vendo, embora olhemos as mesmas imagens. O atentado, então, justificaria que Serra procurasse o médico, ex-secretário de saúde do Cesar Maia, para fazer uma tomografia computadorizada.
Francamente. Por serdes vós quem sois! Não exagereis para não serdes exagerado. Imaginem vocês se depois da cuspida que levou na cara, o histriônico Jânio Quadros exigisse um exame de abreugrafia, desconfiado de que o eleitor de Lott era certamente um tuberculoso que numa guerra química queria contaminá-lo. Serra é o primeiro paciente no planeta que faz tomografia por causa de um arremesso de uma fita crepe. Num país gozador como o Brasil, ele passou a ser objeto de piada, quando merecia contar com nossa solidariedade, se o fato não fosse manipulado e hiperdimensionado.
O episódio de violência, mais que nada simbólica, tem que ser condenado de qualquer forma, com veemência, com a mesma veemência com a qual devemos rejeitar sua exploração política, da forma mais torpe e manipuladora de factoides. Apesar disso, é preciso discordar também da intervenção do Lula que, como presidente da República, representa todos os brasileiros e não podia bater boca com um candidato. Não cabia a ele esse papel.
Numa época em que não havia escrita, no século VI antes de Cristo, na Grécia, um ex-escravo, chamado Esopo, que tinha o dom de narrar, contava entre outras a história de Pedro e o Lobo. Pedro, pastor de ovelhas, todo dia enganava a população gritando: “Olha o lobo!”. No dia em que o lobo apareceu, efetivamente, ninguém acreditou nos seus gritos. Quem acredita num mentiroso contumaz? Lembrei-me dessa história vendo o Jornal Nacional e a primeira página de O Globo, nessa sexta-feira. Assim, quando no domingo, 24 de outubro, o Globo escrever que é domingo, 24 de outubro, duvide, procure outras fontes antes de vestir sua roupa dominical.
P.S. – Às vezes, autoritário. Às vezes, ranzinza e ligeiramente rabugento. Sempre, amigo dos índios Guarani. Armando Barros, professor da UFF, parceiro em tantos projetos, nos deixou nesse sábado, com muita saudade. Seus alunos, seus colegas e os guaranis choram a perda.
*José Ribamar Bessa Freire é antropólogo, natural de Manaus e assina no “Diário do Amazonas” coluna semanal tida como uma das mais lidas da região norte. Reside no Rio de Janeiro há mais de 20 anos e é professor da UERJ, onde coordena o programa “Pró-Índio”. Mantém o blog “Taqui pra ti” e é colaborador do blog “Quem tem medo do Lula?”.

Postado por René Amaral às 10/24/2010 07:00:00 PM









19.10.10


Marina,
...você se pintou?
Maurício Abdalla
"Marina, morena Marina, você se pintou" - diz a canção de Caymmi. Mas é provável, Marina, que pintaram você. Era a candidata ideal: mulher, militante, ecológica e socialmente comprometida com o "grito da Terra e o grito dos pobres", como diz Leonardo Boff.
Dizem que escolheu o partido errado. Pode ser. Mas, por outro lado, o que é certo neste confuso tempo de partidos gelatinosos, de alianças surreais e de pragmatismo hiperbólico? Quem pode atirar a primeira pedra no que diz respeito a escolhas partidárias?
Mas ainda assim, Marina, sua candidatura estava fadada a não decolar. Não pela causa que defende, não pela grandeza de sua figura. Mas pelo fato de que as verdadeiras causas que afetam a população do Brasil não interessam aos financiadores de campanha, às elites e aos seus meios de comunicação. A batalha não era para ser sua. Era de Dilma contra Serra. Do governo Lula contra o governo do PSDB/DEM. Assim decidiram as "famiglias" que controlam a informação no país. E elas não só decidiram quem iria duelar, mas também quiseram definir o vencedor. O Estadão dixit: Serra deve ser eleito.
Mas a estratégia de reconduzir ao poder a velha aliança PSDB/DEM estava fazendo água. O povo insistia em confirmar não a sua preferência por Dilma, mas seu apreço pelo Lula. O que, é claro, se revertia em intenção de voto em sua candidata. Mas "os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz". Sacaram da manga um ás escondido. Usar a Marina como trampolim para levar o tucano para o segundo turno e ganhar tempo para a guerra suja.
Marina, você, cujo coração é vermelho e verde, foi pintada de azul. "Azul tucano". Deram-lhe o espaço que sua causa nunca teve que sua luta junto aos seringueiros e contra as elites rurais jamais alcançaria nos grandes meios de comunicação. A Globo nunca esteve ao seu lado. A Veja, a FSP e o Estadão jamais se preocuparam com a ecologia profunda. Eles sempre foram, e ainda são, seus e nossos inimigos viscerais.
Mas a estratégia deu certo. Serra foi para o segundo turno, e a mídia não cansa de propagar a "vitória da Marina". Não aceite esse presente de grego. Hão de descartá-la assim que você falar qual é exatamente a sua luta e contra quem ela se dirige.
"Marina, você faça tudo, mas faça o favor": não deixe que a pintem de azul tucano. Sua história não permite isso. E não deixe que seus eleitores se iludam acreditando que você está mais perto de Serra do que de Dilma. Que não pensem que sua luta pode torná-la neutra ou que pensem que para você "tanto faz". Que os percalços e dificuldades que você teve no Governo Lula não a façam esquecer os 8 anos de FHC e os 500 anos de domínio absoluto da Casagrande no país cuja maioria vive na senzala. Não deixe que pintem "esse rosto que o povo gosta, e que gosta e é só dele".
Dilma, admitamos, não é a candidata de nossos sonhos. Mas Serra o é de nossos mais terríveis pesadelos. Ajude-nos a enfrentá-lo. Você não precisa dos paparicos da elite brasileira e de seus meios de comunicação. "Marina, você já é bonita com o que Deus lhe deu".
Quarta-feira, 6 de outubro de 2010 - 16h28min.
Maurício Abdalla é Professor de filosofia da UFES, autor de Iara e a Arca da Filosofia (Mercuryo Jovem), dentre outros.



Desculpe Marina,
mas eu estou de mal

Maurício Abdalla

Marina há os que a conhecem de agora, como candidata aplaudida pelos mass media. Esses podem estar de bem com você. Mas há os que a conhecem como a militante cristã, engajada nas causas sociais que os que hoje a paparicam jamais tiveram sequer conhecimento – ou, de qualquer forma, com elas nunca se importaram. Há os que também a conhecem como a doce e ferina oposição ao Governo do PSDB em seu mandato como senadora. Esses, Marina, como eu, estão de mal.
Neutra, Marina? Neutros, ficamos diante de questões que nos são indiferentes. É-lhe indiferente o futuro do nosso país? Custa-me crer, pois sua história um dia a posicionou. Posicionou-a, inclusive, ao lado de Lula. Não acredito que para você tanto faça a continuidade do atual Governo ou o retorno dos tucanos. Sabe por que, Marina? Porque não “tanto fez” para você durante os 5 anos e meio em que esteve no Governo. Ou você também ficaria tanto tempo como ministra de um Governo do PSDB/DEM? Ou se o governo Lula fosse igual ao do FHC? Alguma diferença havia de ter, não é verdade? Caso contrário, suas motivações passariam a ser um tanto quanto paradoxais.
Em que pese às decepções que tivemos Marina, não nos é indiferente – a nós que pensamos nos pobres e na justiça social – o fato de 30 milhões de pessoas terem, hoje, o que comer. Não podemos dizer que tanto faz um salário mínimo de R$ 300,00 ou de R$ 510,00. Que mais 15 milhões de pessoas tenham emprego, em contraste com o presidente anterior que cunhou o termo “inempregáveis” como resposta ao desemprego, é fato que não pode deixar de tocar-nos o coração.
É diferente, Marina, tratar os presidentes de outros países, quando são índios, mestiços e ligados aos movimentos sociais, como legítimos mandatários ou tratá-los como ralé que deveria submeter-se aos EUA e ao sub-imperialismo de nosso país gigante.
Temos severas críticas ao Governo Lula, mas nenhuma delas se assemelha às críticas das elites e de seus meios de comunicação. Nenhuma delas pode ser superada por alguma proposta do Serra. Ao contrário, o retorno do PSDB/DEM apenas aumentará as nossas bandeiras de oposição.
Em situações como esta, a neutralidade é um péssimo exemplo para os jovens. Ainda espero que você se posicione. Ainda aguardo que você volte a ser a Marina, de família de seringueiros, cristã, militante, sindicalista e Silva. E que repita para essa juventude que não conheceu o governo do PSDB/DEM tudo aquilo que você já disse sobre ele no senado.
Ainda espero. Pois eu, ao contrário de Caymmi – e, em certo sentido, ao contrário também de você que ainda rumina uma mágoa mal digerida do Governo – “quando me zango, Marina, eu sei perdoar”.

Maurício Abdalla é Professor de filosofia da UFES, autor de Iara e a Arca da Filosofia (Mercuryo Jovem), etc.

17.10.10


CARTA MAIOR
17 de Outubro de 2010
Política 17/10/2010 Copyleft
Bernardo Kucinski
Os envergonhados e os desavergonhados
Todas essas amigas minhas, da Vila Madalena, de Pinheiros, da USP, mulheres esclarecidas, emancipadas, que votaram na Marina apesar de evangélica e anti-aborto, agora descobriram que todo o seu estado maior é formado por tucanos. Ou ainda não descobriram? A vocês todas, eu digo: não se trata agora de derrotar o Serra ou o neoliberalismo. Tudo isso é transitório, efêmero. Trata-se de derrotar a grande conspiração obscurantista. Trata-se da luta milenar da razão contra a superstição, da tolerância contra o fanatismo, da modernidade contra o atraso. O artigo é de Bernardo Kucinski.
Rompo meu silêncio de três anos na Carta Maior por causa da minha mulher. Ela perguntou: você não vai fazer nada? Não vai participar da campanha? Eu não sou mais jornalista, respondi, sou ficcionista; não quero mais saber de política, chega cinquenta anos sendo usado, agora chega. Ela acabara de ler a história do bispo que mandou imprimir dois milhões de folhetos contra a Dilma. Eu lembrei ter dito a ela que a Igreja Católica estava traindo, já naquele dia em que soltaram o manifesto acusando Lula da fascista, com a assinatura do Dom Paulo. O pobre homem em estado avançado de Alzheimer, e arrancam dele essa assinatura.A Igreja não está traindo, está fazendo o que sempre fez, ela respondeu. Nós acabávamos de voltar de uma viagem à Cartagena, na Colômbia, onde visitamos o museu da Inquisição. Os instrumentos de tortura ali exibidos, de fazer o DOI-CODI sentir vergonha, ficaram gravados fundo na nossa imaginação.Está traindo sim, eu falei, está traindo em primeiro lugar porque usou um método traiçoeiro, o método das mentiras, da difamação, em segundo lugar porque está usando o dinheiro que arranca dos pobres para combater o governo dos pobres, e em terceiro lugar porque está usando uma eleição universal, republicana, para emplacar um dogma religioso, dogma dos mais nefastos, que só prejudica as mulheres pobres. Um Papa decidiu lá em Roma, que o aborto é a linha divisória entre uma sociedade moderna, laica, regida pelo saber científico, e a sociedade atrasada, na qual os padres mandam na vida das pessoas e a Igreja por isso mantém seu poder. E veio a ordem, lancem a campanha contra o aborto bem no meio da campanha eleitoral. Eles são profissionais. Fazem isso há dois mil anos, desavergonhados, Os evangélicos, amadores, entraram de carona. Agora vou falar dos envergonhados, esses que passaram oito anos disseminando mentiras sobre a transposição do São Francisco, acusando Lula de só beneficiar o agronegócio, demonizando as novas hidroelétricas, tumultuando audiências públicas em nome de índios e caboclos desprovidos de luz elétrica, obstruindo a construção de pontes e estradas que integrariam o continente, combatendo os transgênicos em nome de uma visão pré-darwiniana da natureza, esses que se condoem com gatinhos e pererecas, mas não com os meninos de rua ou os moradores de palafitas. Esses que agora estão lançando manifestos dizendo envergonhadamente para votar contra o Serra. Por que não dizem bem alto, votem na Dilma. E também essas todas, amigas minhas, da Vila Madalena, de Pinheiros, da USP, mulheres esclarecidas, emancipadas, que votaram na Marina apesar de evangélica e anti-aborto e agora descobriram que todo o seu estado maior é formado por tucanos. Ou ainda não descobriram? A vocês todas eu digo: não se trata agora de derrotar o Serra ou o neoliberalismo. Tudo isso é transitório, efêmero. Trata-se de derrotar a grande conspiração obscurantista. Trata-se da luta milenar da razão contra a superstição, da tolerância contra o fanatismo, da modernidade contra o atraso. (*) Bernardo Kucinski é jornalista, autor, entre outros, de “A síndrome da antena parabólica: ética no jornalismo brasileiro” (1996) e “As Cartas Ácidas da campanha de Lula de 1998” (2000)

12.10.10


Ventura Picasso

Fui obrigado por sua sugestão a rever, na ‘Estação Historia’ (1870) de Franklin Martins, o Manifesto Republicano. A sua crônica ‘Perdi a paciência’, Dr.ª Fátima, agasalha o momento político com maestria. Conteúdo inigualável. Claro que tenho uma visão social, talvez pela minha idade, dos fatos políticos no Brasil, acomodada ou compreensiva. As labaredas juvenis transformaram-se em brasas, mas ainda aquecem minha utopia.
A ‘publicidade’ partidária quer queiramos ou não é pautada pelo modismo, e não pela consciência política, que a cada período eleitoral se regenera, sai do armário, veste o pretinho básico, e dita as velhas regras: “Comunistas comem criancinhas”.
Hoje, somos obrigados a comungar com o tal pecado mortal do aborto. Essa gente falsa fingindo que não vê as estatísticas referentes ao problema onde você cita em 3 de setembro de 2010, ‘É possível uma ressonância magnética do aborto no Brasil?’: “Uma mulher em cada cinco, aos 40 anos, fez aborto”. Nesse meio, certamente, não há religiosas pertencentes as mais diversas correntes cristãs existentes. Aqui só se reconhece o cristianismo.
Pelo poder fazem qualquer coisa. Mudam o foco principal. Passam para o segundo plano, a substituição do Presidente da República, os projetos do novo governo, que são trocados por um tema moleque cheio de espertezas buscando confundir o eleitorado. Não há patriotismo, mas pura malandragem (termo apropriado para chefes de quadrilhas).
Defendendo os interesses tucanos, uma dondoca discursando em feira livre, se perde e sai com essa: “Dilma mata criancinhas”. As criancinhas são as mesmas dos comunistas. A dondoca é a mesma reaça da Guerra Fria, porém o eleitor já não é o mesmo.
Os grandes cronistas formadores de opinião, não formaram nada em 2006, hoje estão na roça. O Jabor voltou a filmar. Os candidatos que não seguem a moda da mídia PIG, não fazem eco entre as massas. A máxima oportunista, “ajoelhou tem que rezar”, prevalece. A grande imprensa não tem limites, mas limita o que bem entende.
O judiciário por sua vez, que faz às vezes do legislativo aprovando o documento com foto, jogando o Título de Eleitor no lixo gerou uma grande abstenção, quer cassar o Tiririca. Não pela palhaçada, provavelmente por trazer a reboque na sua cesta de votos, o delegado Protógenes. Democraticamente, o eleitor crítico ou gozador, não deve derrotar com seu voto a elite. Os velhos ditados, ‘a voz do povo é a voz de deus’, ou ‘todo o poder emana do povo’, é para o povo acreditar e viver feliz. Só isso!
Num país republicano como o Brasil, quando usamos o dinheiro ao pagar uma conta, para que ninguém se esqueça das trinta moedas, há um breve lembre: 'Deus seja louvado'.
Os caminhos do fundamentalismo religioso estão abertos há um bom tempo. A disputa entre os rebanhos militantes é encarniçada. Os protestantes evangélicos se juntam para enfrentar os católicos. Nas câmaras, nas assembleias e no Congresso Nacional pelo lobby evangélico, juntas todas as tendências, padres, pastores e eco verdes falam a mesma língua: Não à mulher. Mulher é objeto.
O mais interessante nos dias atuais, e se não me falha a memoria, o Partido Verde PV que, espertamente, deu o tom do santificado eco aborto no esquete eleitoral, tem incluído em seu programa, a legalização do casamento homossexual, a legalização e descriminalização do aborto e da maconha (drogas). A tese é justa, mas em campanha, a prática é a do bico fechado. Que papelão.
Eu assim como você, Dr.ª Fátima, “Perdi a paciência: quero a República terrena de volta”! (pelo voto). FONTE: www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=13127,OTE
Ventura Picasso
3055





7.10.10


Professores e pesquisadores de Filosofia lançam manifesto pró-Dilma
Um grupo de professores e pesquisadores de Filosofia, de várias universidades do Brasil, decidiu lançar um manifesto em apoio à candidatura de Dilma Rousseff para a Presidência da República. "Cremos que sua chegada à Presidência representará a continuidade, aprofundamento e aperfeiçoamento do combate à pobreza e à desigualdade que marcou os últimos oito anos", diz o texto. Os professores e pesquisadores de Filosofia também manifestam preocupação com a instrumentalização do discurso religioso na presente corrida presidencial.
Redação
Professores(as) e pesquisadores(as) DE FILOSOFIA interessados em assinar o manifesto, favor enviar email com nome completo, vínculo institucional e demais informações que acharem relevantes para o endereço: manifestoprodilma@gmail.com.
Política 07/10/2010 Copyleft

2.10.10


Postado no tijolaço.com
Blog do Brizola Neto
02102010
Não tenho pesquisas, nem trackings, nem grupos de análises. Não tenho, sequer, experiência acumulada de disputas eleitorais. Mas há algo em mim que, a esta altura, com o corpo cansado, a garganta rouca e, permita a expressão da minha avó, os nervos em pandarecos, despeja em meu sangue uma grande dose de tranquilidade.Fizemos o que tínhamos o que fazer. Jamais nos entregamos. Nunca tergiversamos. Não houve um minuto sequer de vacilação.Dúvidas? Sempre as tivemos. Um ser humano, com os anos, aprende que a dúvida não é sinônima de vacilação, mas uma sadia abertura mental que nos afasta da pretensão de sermos donos da verdade. Alguns, infelizmente, trilham o caminho inverso. Nosso adversário, por exemplo, não hesita em considerar-se o mais sábio, o mais preparado, aquele que já não precisa ouvir porque tem sempre uma certeza para falar.Lembro-me de meu avô contando porque não se juntou, nos anos 40, aos jovens universitários do PCB. Ele dizia: “olha, me incomodava que eles sempre tivessem a verdade pronta, que vinha impressa nos polígrafos”. Polígrafo, naquele tempo, era o mimeógrafo no qual se reproduziam os panfletos.Não sou um homem de grande preparo teórico, embora o ache importantíssimo e procure sempre melhorá-lo. Ajo mais com a sensibilidade, procurando juntar aquilo que tenho como princípio às coisas que sinto e absorvo do sentimento difuso e sincero da população. Posso errar, e erro, por humano. Mas penso que a lucidez não é uma virtude individual. À razão do indivíduo nunca pode deixar de somar-se a sabedoria coletiva.Porque não somos entes isolados. O ser humano, sempre se diz , é um animal social. Temos o brilho dos indivíduos, mas também possuímos o instinto dos rebanhos.A sociedade move-se ora com cautela, ora numa marcha acelerada e irresistível.Vínhamos assim. Mas a elite, aquela que historicamente tange o povo brasileiro segundo sua conveniência, chegou a pregar-nos um susto. Não nos deteve, mas é forçoso admitir que nos fez andar mais lentamente.Chegamos então ao momento decisivo em que iremos tomar um caminho.No Sul, temos uma expressão conhecida como “boi sinuelo”: aqueles que servem de referência à marcha coletiva.Tudo indica que amanhã cruzaremos o rio. Se não for assim, teremos que nos reagrupar e vamos depender, mais fortemente, de que essa grande e indócil sociedade possa identificar seus líderes e segui-los.Hoje, durante todo o dia, cada um de nós deve empregar sua energia, sua inteligência, seu sentimento de igualdade na tarefa de chamar, um por um, cada brasileira e brasileiro, a cruzar o rio que nos separa do amanhã.Se vamos conseguir? Acho que sim. Em meio a poeira da política, a milhões deslumbra o horizonte da história, esta impalpável chama que ilumina o olhar da humanidade.Agora, ou daqui a pouco, iremos ao encontro dela. Seu chamado silencioso magnetiza uma parte de nós que vai além do racional, embora não o despreze. É algo que fala aos sentimentos instintivos das grandes massas humanas, que buscam a sobrevivência e a felicidade.Um bom dia para todos, um dia em que vamos somar esforço e reflexão. Horas em que buscaremos a todo custo a vitória numa batalha, mas que não nos abaterá se nela não for vencida a guerra.Temos o indispensável para vencer. Uma causa, uma bandeira, um orgulho que não se acaba de estarmos dando o melhor de cada um de nós pelo que é melhor para todos.Vamos, ombro a ombro, com esse povo que não tem nada a não ser a certeza de que merece uma vida digna.Bom combate, neste dia que nos resta.
Brizola Neto -

31.8.10

Nossa Secretária Beatriz Soares Nogueira

Ventura Picasso
A Secretária da Educação Beatriz Soares Nogueira, convocada a dar contas de sua administração sobre temas superados: a merenda escolar, os uniformes recolhidos e contratação de professores, surpreendeu a todos os presentes na Câmara, principalmente aos vereadores da oposição.
Beatriz, funcionária de carreira, com extraordinária formação arrasou. Não se trata, pois como pensa a oposição, de um cargo da ‘cota’ do PT. Trata-se, isto sim, da melhor qualidade humana para comandar a Secretaria da Educação.
O objetivo desses opositores, para mim, não ficou claro. Não entendi, até hoje, se eles queriam comprometer o governo Cido Sério, ou a própria secretária. Não sei se foi, por acaso, uma armadilha.
O jogo de palavras, bem como questionamentos viciados fora de ordem e do contexto, obtendo respostas, que segundo os interlocutores não se sentiam contemplados, funcionou como uma declaração de incompetência e de total desconhecimento legal dos temas debatidos.
A convocação de Beatriz, que respondeu serenamente a todas as perguntas, tratando respeitosamente aos senhores vereadores, contrapondo o quesito de que “vieram me falar no gabinete”, de que o governo e a secretaria lida apenas com questões concretas com responsabilidade, seriedade e respeito com a coisa pública.
Os arrogantes, que ‘se acham’ a Flor de Lotus, da política em nossa cidade, após o debate, certamente foram pescar.
Assim eles pretendem fiscalizar os atos do governo?
Valeu Beatriz!
Ventura Picasso – Membro da Executiva do DM-PT de Araçatuba.
1312

24.8.10


A MODA ANTIGA
Ventura Picasso
FOLHA DA REGIÃO 01/09/2010
Encontrei jogado no chão da estação rodoviaria na Barra Funda, possivelmente por um visitante santista, um bloco do jornal "A Tribuna", de 19 de julho de 2010. Ali, quando vi aquele caderno tristemente abandonado, lembrei-me do amigo Wilson Marini, ex-editor-chefe daquele diário que em agosto de 2009, trocou Santos por São Paulo. Hoje é o editor-executivo da Associação Paulista de Jornais (APJ).
Sou do tempo em que se embrulhava carne, primeiro com papel branco e em seguida, recoberto em jornal velho. Em casa, desembrulhava o contrafilé com osso cuidadosamente, para não rasgar a página, procurava o meu canto e lia tudo. Ainda hoje não posso ignorar um jornal, desprezado, perto de mim.
"Lição de sucesso no ensino básico": O título do editorial que me prendeu ao texto. Em campanha eleitoral se fala muito em educação. Há os que defendem, categoricamente, a absurda Progressão Continuada. A culpa é da ONU. Ao exigir a redução do analfabetismo obrigando os 'intelectuais' do antigo governo central a favorecer, descaradamente, o aparecimento de uma geração de crianças que não chegarão ao colegial.
Neste momento, com o Ficha Limpa vencida ou não, os candidatos estão saindo de suas colmeias, como enxame, pinçando novos eleitores como abelhas colhendo pólen. É vida ou morte. Quando o eleitor para e ouve a falação do candidato leva na cara dura uma promessa.
Na última eleição, em 2008, aconteceu: O pai de um candidato a vereador apareceu numa reunião entre mulheres, na casa da Lucia, em busca de votos. Essa atividade é normal para divulgar as qualidades dos candidatos. Em algumas situações há interesses de ambos os lados. O apoio é 'negociado'. O ilustre visitante trazia na mochila a 'oferta' e a solução de uma indenização, que o esposo falecido da Lucia, por direito esperava, mas estava engavetada, esquecida numa autarquia municipal.
Passado o pleito, pai, filho e associados esqueceram o prometido. Ocupadíssimos, já não atendiam as chamadas telefônicas, mas autorizaram uma funcionária a acompanhar o caso. Claro que logo a seguir, a pobre coitada, passou a responsabilidade à outra pessoa. Até hoje, Lucia que passou por uma mastectomia radical, não foi atendida. Foi enganada e está à espera das próximas eleições municipais, para movimentar as bases femininas, e convidar essa dupla cara-de-pau para saber o que trazem na mochila.
Voltando ao editorial do jornal A Tribuna de Santos, "Lição de sucesso no ensino básico", se o Marini lá estivesse certamente daria os nomes dos professores. Situada a 60 km de Ribeirão Preto, com aproximadamente 24 mil habitantes, Cajuru teve cinco escolas entre as dez melhores do país. No indicador do Ideb do Ministério da Educação, as escolas da cidade, numa escala de 0 a 10, ficaram com 8,6; Nota de país desenvolvido.
Se alguns políticos ganham mais, economicamente, quando enganam a sociedade, por que os professores que oferecem o que existe de melhor, a verdade histórica, aos seus alunos, levam a pior com a Tropa? Reivindicar melhores condições de trabalho e salários deixa o governador nervoso? No editorial, uma professora, infelizmente desconhecida, sem medo do político ou da Tropa de Choque foi abrindo o jogo e o segredo do sucesso: "Aqui se faz um trabalho de equipe. E, eu, particularmente, sou a moda antiga. Comigo, tem ditado e cópia todos os dias".
Ventura Picasso: Secretário Geral do SINTAPI Araçatuba.

27.5.10

Legalidade:


Blog do Brizola Neto -
www.tijolaco.com - maio 26th, 2010 às 17:14

Falei, há poucos minutos, na tribuna da Câmara e transcrevo, abaixo, as notas taquigráficas da minha fala. Daqui a pouco coloco o vídeo.

O SR. BRIZOLA NETO (PDT-RJ. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, a base da democracia é o voto de cada brasileiro. A eleição tem que ser decidida nas urnas, não nos jornais, não na televisão e nem na Justiça. A eleição é a hora de o povo falar diretamente. Aquelas instituições não têm o direito de se substituírem ao povo, nessa decisão, como nós Deputados, não o temos.


Assistimos a um processo eleitoral que está sendo levado pela mídia e pela Oposição, não às ruas, mas aos tribunais. O Presidente Lula está quase que proibido de falar o nome de quem apóia.


As pesquisas dizem que metade dos brasileiros deseja votar no candidato do Presidente, mas a Oposição e a imprensa pressionam todo dia o Poder Judiciário para que o proíba de falar. Proíba, para ocultar ao povo que sua candidata é Dilma, enquanto José Serra desfila como lulista.A farsa depende do silêncio.Ora, senhoras e senhores, manifestar preferência não é pedir voto. Nós, aqui nesta casa, também somos agentes públicos. Não podemos usar nossos gabinetes, nossas cotas, os serviços pagos com dinheiro público para pedir votos.Isso está correto, corretíssimo.

Mas imaginem se fôssemos impedidos até de falar o nome de quem apoiamos. Somos agentes públicos e agentes políticos, tanto que só podemos estar aqui, como também só pode estar lá o Presidente, se filiados a um partido político.Quem está proibido de preferência partidária são os membros do Judiciário e os que atuam junto a ele, como a Procuradoria da República. Eles têm o dever da prudência e do equilíbrio, até para não tumultuarem as eleições. Ontem, uma Vice-Procuradora deu entrevista à Folha de S. Paulo em que,ao menos no que foi publicado, ameaça de cassação a candidatura Dilma.Hoje, na mesma Folha de S. Paulo, o Sr. Roberto Jefferson anuncia o expediente, expressamente proibido em lei, de entregar ao candidato Serra o horário de TV do PTB, como fez e está fazendo ainda o DEM, sem que o Ministério Público tenha sequer reagido.Há dois pesos e duas medidas? Mais rigor da lei para uns e nenhum para outros?

Nós vamos reagir com serenidade, pacifica e legalmente. Os democratas e patriotas deste País vão se unir a uma campanha pela legalidade como a que fez Brizola em 1961. Ninguém vai decidir em quem o povo pode ou não pode votar.Não ao golpe eleitoral! Não ao tapetão judicial!Eleição se ganha é no voto.


Obrigado, Sr. Presidente.


1.5.10




O NAVEGANTE LULA
Ventura Picasso
Lula, la persona más influyente del mundo, según la revista Time.

O debate político eleitoral, ainda nas preliminares, não encontrou um caminho seguro para orientar a nova realidade. De um lado, com tudo explicadinho, os governistas insistem, e fazem muito bem, em comparar o sonho do navegante Lula com o que sobrou do governo FHC. Aí, aparece uma notícia dessas!

O presidente Lula tem acumulados 33 prêmios no Brasil e no exterior a receber quando deixar o governo. Os prêmios foram oferecidos durante o seu governo, mas ele pediu para recebê-los só depois de transmitir a faixa para o seu sucessor. Em sua maioria, são prêmios “honoris causa” de universidades daqui e de fora

O cineasta Michael Moore, demonstrando grande conhecimento da biografia do presidente, diz que Lula, é o “verdadeiro filho da classe trabalhadora da America Latina”. Deu na ‘Time’ um ranking que o PIG garante que não é classificador. Lula é indicado pelo número 1. É o ‘um’ que não é o primeiro de um ranking que não é ranking. O topo da “Time” apareceu na lista do presidente?

A revista “Time” informa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece no topo de uma lista das pessoas mais influentes do mundo. Barack Obama surge em 4º lugar, Yukio Hatoyama do Japão, em sétimo e Nancy Pelosi, ex-governadora do Alasca aparece em 9º lugar.

A preocupação do PIG em corrigir a matéria da revista americana, é cômica e dramática. O primeiro choque foi causado pelo titulo: ”Lula é eleito um dos líderes mais influentes do mundo”; O louco! Roeram as unhas até o cotovelo.

Eu tenho orgulho do meu país, sou brasileiro, o Lula já apareceu nessa lista da “Time” em 2004, defendendo no México, o fim dos subsídios agrícolas à exportação. Os exportadores brasileiros gostaram, mas não votaram em Lula.
A lista da “Time” indica uma ordem: em segundo lugar está J. T. Wang, presidente da Acer.

Nós sabemos que parte da imprensa não divulga uma única nota de projeto importante para a nação produzido no Planalto. Tudo bem. A maioria das empresas de comunicação, jornais, rádios e TVs, são particulares. Seus proprietários têm o direito de editar o que quiserem. Mas, entre eles, alguns não se submetem à censura, mas desfrutam de um imenso prazer censurando os atos da presidência.
No mundo moderno, essa mesquinharia, já não é possível.

O novo endereço do sonho americano é ao sul do equador, queiram ou não!

Jornal La Nacion – Argentina –
El presidente de Brasil encabeza el ránking de la publicacion norteamericana, en el que Barack Obama aparece en el cuarto puesto;
Por Ventura Picasso – SINTAPI –
Secretário do Sindicato Nacional dos Trabalhadores Aposentados, Pensionistas e Idosos.
2216

3.4.10

“Aposto nos professores”


FOLHA DA REGIÃO 09042010
VENTURA PICASSO
Nos regimes políticos, onde predominam valores democráticos, a sociedade organizada sempre e em qualquer circunstância, é ouvida pelo Estado. A administração pública não pode ser tratada como se fosse particular, privada. O funcionário público, seja ele efetivo, eleito pelo voto ou comissionado tem a obrigação de atender e respeitar a coletividade.

Os nossos mestres, em greve, estão nas ruas tomados de uma emoção enlouquecida, enfrentando os gladiadores do Senhor de todos os paulistas. Agindo como mau patrão, o governador, não aceitou o diálogo com os professores. Quem não sabe negociar não serve para governar. Pagar o preço justo ele não paga.

Porem bonifica-os com gás pimenta, lacrimogêneo, bombas de efeito moral e cassetetes democráticos. Uma festa! Alegar que não dialoga com grevistas é puro cinismo. Por que não os atendeu e conversou antes da paralisação? Os mestres não apresentaram atestado ideológico?

* “Sou professor. Sou um paradoxo”. Enfrento a tropa de choque. * “Sou o mais afortunado entre todos os que labutam”. Ensino e aprendo. Sou um guerreiro defendendo os meus direitos e o de todos os professores. Sou sindicalizado.

A Apeoesp, presidida pela Bebel, que representa os professores estaduais de SP, está sendo impedida de usar palavras de ordem, publicamente, contra os partidos do Senhor governador e seus coligados, PSDB e DEM, que não reconhecem a categoria. É tempo de censura?

Nunca antes na história deste país, um partido político interpelou judicialmente um sindicato. Começou a censura? A imprensa pode selecionar a notícia que quiser divulgar, e ninguém pode exigir que ela divulgue ou não, qualquer notícia. A censura com quem está?

Em1919, na Baviera, fundaram um partido político contendo em seu programa vários pontos exigindo a eliminação dos cargos públicos de judeus. Que coincidência, claro que entre eles, haveria centenas de professores.

Ameaçando substituir os grevistas da educação, esse governo decadente, alarma a nação. Ainda não chegou ao Planalto e já baixou o AI Sem Número. A ditadura começou assim e chegou ao AI 17. O quinto Ato Institucional facilitou a censura. É muita ousadia, dos docentes, exigir que o Senhor dos Alagados preste contas aos eleitores de SP, especialmente, a um movimento social e político polarizado por educadores.

O Senhor de todos os paulistas, deixou o cargo e mais uma vez, largou um governo mal resolvido, um bode na sala do vice. Arrogante, ignorando a sua realidade, ligado ao diretor da roubalheira José Arruda, queimando etapas se lança em nova campanha eleitoral combatendo a roubalheira. Como é possível, chefe? De onde sairá o vice?

Bebel, professora, é do PT; O governador é do PSDB e do DEM. O movimento é político. E eu, aposto nos professores!

* John Schlatter 2329
Ventura Picasso Secretário do Sintapi (Sindicato dos trabalhadores aposentados, pensionistas e Idosos)

21.3.10


e as mentiras da mídia nos EUA
Blog do Altamiro Borges - Reproduzo matéria publicada no jornal Hora do Povo desta semana:
Durante entrevista com Bill Maher, no programa Real Time da HBO, o ator e diretor de cinema Sean Penn afirmou que, lamentavelmente, o povo norte-americano não conhece a realidade de América Latina e da Venezuela, em particular.
“Nós, nos Estados Unidos, temos dificuldades para entrar na pele do que tem sido a história da Venezuela, a história da América Latina e de muitos outros lugares. Somos muito monoculturais. Estamos hipnotizados pelos meios de comunicação que só divulgam o que interessa aos grandes interesses econômicos”, afirmou Penn, no dia 10 de março.
“Por exemplo, Hugo Chávez. Quem sabe aqui que ele passou por 14 das eleições mais transparentes do mundo e foi eleito democraticamente em todas elas?”, acrescentou o também produtor de cinema.
Sean Penn assinalou que “dia após dia, este líder eleito pelo seu povo é chamado de ditador aqui, nos principais meios de comunicação. Suas medidas, sua política de inclusão de amplas camadas da população, as melhorias na qualidade de vida dos venezuelanos, a aprovação popular de seu governo não são divulgadas pelos grandes meios de comunicação comerciais”. “Deveria existir um limite para as mentiras dessa mídia”, acrescentou.
Depois de sua primeira visita à Venezuela, em 2007, Penn foi entrevistado no programa The Late Show por David Letterman, onde refutou os argumentos do jornalista sobre o suposto fechamento irregular da RCTV. “Essa rede de televisão incitava constantemente até ao assassinato do presidente, só promovia a desordem na base de mentiras. Se neste país [nos EUA] os dirigentes de qualquer meio de comunicação fizessem a metade do que a RCTV fez, estariam presos”, constatou.
21032010 - 1490

9.3.10


Vladimir Herzog
Ventura Picasso

Tratar a morte do jornalista Vladimir Herzog, num formato simplista, com desdém agressivo, como se fosse um fato comum, é inaceitável. Repetir a versão “oficial” daquela tragédia, no DOI-CODI do II Exército em S. Paulo, onde o Vlado foi suicidado, com seus algozes mostrando fotos do jornalista enforcado no próprio cinto, nem a avó do Chapeuzinho acreditou.

Vlado, judeu nascido na Croácia, foi sepultado em 27 de outubro de 1975, no Cemitério Israelita. A cultura judaica determina que os suicidas sejam enterrados num lugar isolado do cemitério, mas o Rabino Henry Sobel negou a tradição. As circunstâncias eram outras.

Na história moderna do Brasil, Herzog desempenhou um papel inigualável. O mundo inteiro ficou chocado com a violência descabida desenvolvida pelo regime militar. Esse assassinato reduziu a gula dos golpistas a continuarem disputando a presidência entre eles. Evitou que mais algumas rodadas de generais passassem pelo palácio do governo.

Hoje, o jornalista Vladimir Herzog, após quase 35 anos, é considerado um dos símbolos da resistência ao autoritarismo. Portanto, quem se reportar a esse mártir naturalizado brasileiro, pelo menos, mesmo sem conhecê-lo, usar de um respeito que só os verdadeiros heróis merecem, principalmente, depois de mortos.

Ventura Picasso – Secretário do SINTAPI - 09032010

1139

7.3.10

IDOSOS

Ventura Picasso
Coluna dos Leitores - Opinião
Folga da Região
05032010

Não há prejuízo em transportar gratuitamente os idosos com idade acima de 60 anos. O itinerário dos ônibus não é alterado.

Em Araçatuba se fala em monopólio da TUA, nesse caso, precisamos conhecer a planilha de custo operacional dessa empresa. Crianças até 11 anos, estudantes credenciados e deficientes, por direito, por ser monopólio, cabe sim um preço social à custa da empresa.

Para os idosos, que já deram a sua contribuição à sociedade, a passagem deve ser inteiramente livre de qualquer ônus.

É uma atitude ridícula rotular os nossos idosos de oportunistas. Aqueles que querem selecionar os idosos, burocraticamente, para saber quem pode ou não pagar a passagem, estão preocupados com a TUA.

O passageiro que paga à vista a sua passagem, e os idosos, não tem na mídia quem os defenda.

Quem discordar das minhas idéias e quiser me ofender, não ficarei calado e respondo: É a TUA.

Foto da internet:

Um certo sindicalista afirmou que a TUA transporta só idosos, por isso não dá para renovar a frota.
(Pelego).

Ventura Picasso, secretário do SINTAPI - Sindicato Nacional dos Trabalhadores Aposentados, Pensionistas e Idosos.
05032010
0915


26.2.10


É O AMOR
por Ricardo Kelmer
Como sou besta para chorar, é claro que ensopei a manga da camisa vendo 2 Filhos de Francisco (direção de Breno Silveira). Sempre me tocam histórias de superação, isso de lutar por um sonho. Não sou fã de música romaneja mas é comovente assistir, passo a passo, a trajetória do artista que apesar das dificuldades não desiste de sua arte. Mas aí a pulga me coça a orelha: e os outros zezés e lucianos por aí?
A dupla do filme conseguiu chegar lá. Antes passaram muita necessidade, engraxando sapato, vendo a mãe chorar porque não tinha comida em casa, perderam um irmão. Palmas, eles merecem. Mas, que diacho, eu não consigo deixar de pensar nos outros. Poizé, todo mundo saindo do cinema cantando feliz e eu, o estraga-prazer, pensando naqueles que lutaram tanto ou até mais e, no entanto, não chegaram lá. E aí?
E aí o quê, é isso mesmo, é a vida, uns chegam e outros não. É, você tem razão, se todos chegassem não caberiam todos no palco. É necessário que a maioria não chegue para que alguns possam chegar. Cruel matemática a do sucesso artístico. Então a vida é injusta? É assim que ela trata seus artistas, aqueles que têm a sagrada missão de divertir e emocionar o povo? O que afinal está errado com a arte? Por que para a grande maioria a arte é um sonho que nasce colorido mas aos poucos se transforma em pesadelo e faz da vida um trágico erro de percurso?
Tenho um palpite. Ele é fruto de tudo que aprendi em minha própria vida, buscando ser escritor num país de não-leitores. Não existe fracasso na arte. Porque a arte, por si só, é a eterna celebração da vida. Aqueles que a vida escolhe para serem artistas têm a missão de fazer arte e pronto. Se conseguirem se sustentar com ela, isso é outra coisa, a arte em si nada tem a ver com isso, não lhe peçam o que não é de sua competência. A maioria dos artistas, de fato, não consegue se sustentar e desiste. Os que conseguem, a maioria abre concessões em seus ideais e assina algum tipo de acordo com a indústria de consumo rápido. Uma parte prossegue a duras penas, sempre maldizendo o sistema e envolta em amargura.
Mas há aqueles que, mesmo com reconhecimento curto e dinheirinho minguado, continuam com sua arte, são felizes e não abrem mão dela - porque não saberiam viver longe de seu grande amor. Jamais terão sua história contada no cinema, mas ela, certamente, é a melhor de todas as histórias. Esses encarnam o verdadeiro espírito artístico: fazer arte pela arte. Esses deram a volta completa na roda da experiência e chegaram. Não ao estrelato, ao panteão luminoso das celebridades - chegaram ao ponto mágico de compreensão onde vida e arte se tornam uma coisa só e o dinheiro e a fama não são mais importantes do que continuar fazendo arte, continuar fazendo, continuar.
Esta crônica é uma homenagem aos que chegaram. Mas é uma homenagem ainda maior aos que chegaram ou chegarão à mais profunda verdade artística, aquela que diz que no final da jornada, lá onde paramos para enxugar o último suor de tantas labutas, nós olhamos para trás e vemos toda a estrada que percorremos. Veja, lá estamos nós, dia após dia, no ônibus, a pé, sacoleiros da esperança a carregar os sonhos de um lado para outro, vendo muitos morrer pelo caminho, arrastando os que sobram, sempre visualizando lá na frente um horizonte de recompensas - horizonte que sempre se revela apenas mais uma estação na difícil viagem.
Nós olhamos para trás e entendemos que, apesar de tudo, valeu a pena sim, que mesmo devendo o aluguel, não devemos a alma. Que mesmo sem saber como seria o dia seguinte, nós cumprimos nosso destino. Por amor à arte. Que no fundo é o mesmo amor à vida.
É o amor.
Ricardo Kelmer é escritor e roteirista.

A crônica, do escritor Ricardo Kelmer, foi adotada pelo Alberico para servir de mote ao seu ideal cultural.
"Parabéns, Ricardo. Com esta crônica, você engrandece e imortalizatodos os heróis anônimos" - Alberico

http://www.albericorodrigues.com.br/indice2.htm

Situado num dos melhores núcleos culturais da cidade, este Centro Cultural - com o Muro Literário do Alberico, os bustos de Homero, Camões e Machado de Assis dispostos nas entradas - prova que esse professor sabe como transformar sonho em realidade.
Hoje, a casa já é ponto de encontro de artistas, escritores, poetas, professores e daqueles que simplesmente gostam de ler jornais, revistas e consultar bons livros, enquanto saboreiam um delicioso cappuccino ou um café expresso cremoso.
E como diz o próprio Alberico:
"Bem-vindos sejam ao Espaço Cultural Alberico Rodrigues"

23.2.10


Reino dos Democratas
VENTURA PICASSO

Quando por qualquer motivo alguém clica o nome do senador Marco Antônio de Oliveira Maciel, certamente, é hora de trocar o nome do partido. De Brasília, capital federal que tem governador e não deveria, até a “paulicéia desvairada, a nova chuíça, capital nacional da privataria” do prefeito Kassab do DEM, a comissão de frente faz a introdução: Agora, só trocando o nome do DEM.

Mudar o nome do partido é a solução técnica, para manter o ânimo e a moral na competição eleitoral. Como explicar o desarranjo visceral que acomete os grandes oradores da oposição no Congresso Nacional? Não me refiro a Marco Maciel que, quieto e calado, mudou o nome da ARENA para PDS. Abandonando o PDS, bandeou e liquidou o PFL mudando o nome da agremiação para Democratas DEM, mas sempre fiel aos princípios arenosos. E agora, Mané?

A vida de Maciel não esta fácil. Corre o risco de morrer abraçado. Livrando-se de José Roberto Arruda (DEM), governador de Brasília, do governador interino Paulo Otávio (DEM), resta-lhe ainda, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), da capital paulista.

Que saudades de Pernambuco quando foi deputado, governador biônico, senador da república e vice-presidente do Brasil. Temos memória curta, mas Maciel, que ninguém lembra, foi vice-presidente de 1995 a 2002. Sabe de quem? Do farol de Alexandria (PHA).

Carregar esse fardo em 2010 dói muito. A consciência dói pra caramba. Irreverentes, não souberam conter a ambição. A vaidade política detonou a moral dos militantes do DEM e, ao assumirem cargos executivos, arrasaram o discurso ensaiado, não só dos Democratas, mas dos partidos da base aliada desses dois governos composta pelo DEM, PSDB e PPS.

Em São Paulo, a situação é desconcertante. O candidato a presidente, discursando em Brasília, lançou o slogan da derrota: ”Vote num careca e leve dois”. Liquidou-se. Ouvi dizer que alguns deputados não aceitavam o nome Democratas. “Parece nome de bloco carnavalesco”, diziam. O carnaval acabou, troquem o nome.

Maciel, grande articulador político, sabe que a batata do DEM está assando. A chapa do PSDB, que estava carimbada com um Democrata à vice, foi pro lixo. Isso não é pouca coisa para um partido que sempre esteve à sombra da poderosa direita deste país.

Certamente haverá muita discussão, brigas para acertar outro nome ou mesmo outro partido para compor e atender aos anseios do PSDB. Imaginemos o prejuízo político e econômico dos três partidos que estavam prontos para massacrar a pré-canditada Dilma, do PT.

A comissão de frente, do Reino dos Democratas, esta na passarela. A fantasia, a mesma de sempre, de palhaço; Perdendo Brasília e São Paulo, vai dançar: “pinta de palhaço, foi este o meu amargo fim”.

Ventura Picasso – Secretário do SINTAPI Sindicato Nacional dos Trabalhadores Aposentados, Pensionistas e Idosos. 22022010
2256

4.2.10

CARNAVAL NA CÂMARA

FOLHA DA REGIÃO 14022010
VENTURA PICASSO


Tem gente, engraçada, que fica triste quando chega o carnaval. Graças a deus, o Brasil é o país do samba, carnaval e futebol. Eu não sei quem inventou ou quando o carnaval surgiu. Só sei que é tempo de festa, de alegria, de esquecer os pecados e começar de fato um ano novo.

Muitas famílias que trabalham de segunda a segunda, que vendem as férias, que estudam à noite, tentando sobreviver no vai e vem do balanço da vida, no sacrifício total buscando um futuro melhor, só tem três dias no ano para explodir de alegria - carnaval.

O carnaval é festa do povo. Do bando de loucos, que cantam até ficar roucos (Gaviões), mais do que loucos com seus direitos garantidos. Aí, lá pelas tantas, aparece um ‘representante do povo’, o vereador da Platibanda, que deveria ler pelo menos o expediente da Câmara, votando contra a maior festa popular do país. Sai pra lá!

O nosso carnaval em 2010 está colocando na Avenida dos Araçás, todas as escolas de samba do grupo 1, devidamente registradas na Receita Federal e com cartão do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ. Nem transportadora de doentes tem esse status!

Votar por votar na Câmara, e votando contra, não por ser contra a proposta, mas por ser contra as pessoas que fazem os encaminhamentos. Esses são os políticos que amarram o nosso desenvolvimento. Não cabe em suas cabeças, que as diferenças pessoais não entram nas disputas coletivas, principalmente, quando rolam os interesses do povo.

É carnaval, gostem ou não gostem do Lula, se você assistir ao filme, você vai chorar! E nós aqui, com chuva ou sem ela, vamos ver a Escola de Samba Sonho e Fantasia, a Virada do Sol, a Unidos da Zona Leste, os Acadêmicos Unidos do Embu e Os Caprichosos. Não vou chorar na avenida, vou lavar a alma e o corpo, tenho só três dias para esquecer meus pecados!


1469
Ventura Picasso – Secretário do SINTAPI base Araçatuba. 04022010