12.6.11

Saco de pizza

O Departamento Jurídico da Câmara encontrou no minidicionário Aurélio o argumento, inquestionável, para minimizar a denuncia, de existência de um saco de dinheiro para os vereadores.

Manchete da Folha da Região de 07/06/2011: ”Advogados da Câmara sugerem que ‘saco de dinheiro’ vire pizza”.

Em entrevista gravada, o vereador Joaquim (PDT), disse aos jornalistas da Folha da Região, Sergio Guzzi e Arnon Gomes: “Não retiro uma palavra, sobre o saco de dinheiro”.

No entender do minidicionário e do Dep. Jurídico, o vereador Joaquim da Stª. Casa falou, mas não disse nada. Nós que não temos ‘memória’ sabemos, como o jurídico e o Aurélio sabem, que discurso é só falação abstrata. O cara fala, pensando ou sem pensar, e o conteúdo some, desaparece no éter. Mesmo gritando escandalosamente, a mais de 70 dB, aqui em Araçatuba, ninguém fiscaliza mesmo.

Temos uma dúzia de vereadores e seus ‘responsáveis’ discutindo, ou fazendo de conta que discutem o aumento de cadeiras na câmara. E não são poucos assentos, eles apostam em 19, que corresponde ao Pavão, mas há o que propõe apenas 9, que é o conhecido burro, segundo o mestre Aurélio (kubrusly.com).

Salvo a palavra do corajoso edil Joaquim, não temos nada de concreto que “se enquadre na categoria de irregularidade”. Mas, há uma pergunta que não foi feita. O tal saco de dinheiro, viria também para quem, vereador?

Quem ficou de fora dessa suposta denuncia na seguinte frase gravada pelos jornalistas: “Não, aí o comentário na cidade é que viria também um saco de dinheiro para os vereadores”. Quem ou quais pessoas estão escondidas sob o ‘adverbio’ também?

Não foram apenas os advogados da Câmara que abafaram o grito do vereador Joaquim, certamente, ele mesmo não gastou todas as informações de que dispõe. E guardou alguma coisa para dizer depois da bronca, tipo: “ouvi dizer”. E aí fica o dito pelo não dito. O imperdoável perdão!

Os limites individuais morais, éticos, sociais, religiosas etc. que cada pessoa traz desde a mais tenra idade, aparece na idade adulta, seja politico ou não. Ninguém é perfeito, mas o homem público se apresenta sempre como representante da comunidade, como eles dizem, por isso não tem o direito de dizer que ‘ouviu falar’. Como dizem os mais entusiasmados: Mato a cobra e mostro o pau (tchê)!

As convenções sociais, o conviver em sociedade, exige de nós uma reserva moral adequada aos nossos princípios tradicionais. Ninguém produz um ‘saco de pizza’ por nada.

O que é isso? Do que de trata? Balão de ensaio? Falar por falar é golpe! Isso é golpe; olha o golpe aí! Como dizia a ventríloqua do Nobrega na TV. Enquanto isso o debate com uma provável concessionária para as contas do DAEA, secretamente, prossegue sem marolinhas.

Qual o papel dos nossos vereadores? Quando escreve não assina; quando assina não lê! Quem tem coragem de aumentar o número de cadeiras? Essa informação não é encontrada no minidicionário Aurélio. Que saco!



Ventura Picasso – Cia dos Blogueiros
2487

10 comentários:

Marisa Mattos disse...

Onde está o saco de dinheiro?
Será que o gato comeu mesmoooo???

Elaine Crespo disse...

Oi! Ventura!

Realmente politico é um bicho que nunca vai mudar!
Como sempre eles dão o seu jeitinho de contorna as denuncias e sair ileso. E depois nós mesmo colocamos eles la novamente. Mas denunciar sempre!!

Quanto ao meu post realmente mesmo se resultado de uma biopsia de benigno. Nos não seremos o mesmo mais nunca pois o medo marca para sempre e passamos a ver a vida de outro ângulo.

Tem um filme francês muito bom que aborda este assunto de maneira muito bem.
O filme é "Cléo de 5 às 7" de Agnès Varda ano 1963, não muito fácil de encontrar em locadora mais deve ter para baixar.

Um lindo dia!

Beijos,
Elaine Crespo

Ventura Picasso disse...

Isso mesmo Elaine: O medo vem morar na consciência e não arreda pé.
Vou procurar o filme.
bjs
bfs.

Rita Lavoyer disse...

Então, depois engordam pra caramba de tanto comerem a pizza e vão ter que pegar direito do saco para pagarem o regime.
Qual regime?

Ventura Picasso disse...

Rita pode crer:
Regime carcerário, pra eles é melhor... rsrs

Elaine Crespo disse...

Ventura!

Bom dia amigo!

Venho agradecer suas visitas e comentários em meu blog! E me desculpar em não ser tão assídua quanto você!!

Uma linda terça-feira!!

Beijos,
Elaine Crespo

Ventura Picasso disse...

Não tem de quê...
Sou viciado em leitura (de boa qualidade); Reconhecer o valor do outro é uma preocupação pessoal.
Ao opinar, eu e minha consciência, me acalmo.
bjs

Cidadão Araçatuba disse...

Eu iniciaria a discussão assim ventura:
-Quantos "Joaquins" mais elegeríamos, caso o número se elevasse a 19? E quantos perderíamos se reduzidas fossem as cadeiras?
O caso, que nas "rodas" sociais/políticas, já virou "causo" será sepultado e caso o saco apareça, alguém se encarregará de carregá-lo, ficando apenas o encargo de preencher o erário público a nós pobres e "inocentes" contribuintes!
Olha o golpe aí gente...
Abração.

Ventura Picasso disse...

O saco apareceu na porta da Câmara. Foi um estudante, de cara limpa, que deixou o lá. Criativo, esse garoto promete. Inventor, o presidente, inverteu o caminho. Como ele vai descobrir quem falou do saco mágico? Vc tem razão, Cidadão, esse tipo de vereador não entra na conta. Pra mais ou pra menos - quem votou perdeu o voto -

andreiapisco disse...

tens razão, há uma cultura de que "discurso é só falação abstrata"