17.10.14

A agressividade de Aécio com as mulheres: firmeza ou covardia?

Aécio, e o dedo levantado para as mulheres


17/10/2014 - http://amoralnato.blogspot.com.br/2014/10/a-agressividade-de-aecio-com-as.html

por Rodrigo Vianna

A agressividade demonstrada por Aécio Neves durante o debate no SBT, nesta quinta-feira, pode ter espantado muitos telespectadores. Ainda mais porque o tucano não é conhecido como um político de confrontos duros na tribuna – quando do outro lado estão homens experientes na vida legislativa.

Por que, então, Aécio estava tão agressivo no embate com Dilma?

Há algumas explicações possíveis. Surpreendido pela adversária no debate anterior, na Band, Aécio quis partir logo para a ofensiva. Como se não pudesse dar tempo para a adversária respirar… Ultrapassou o limite razoável e desconheceu qualquer regra de cortesia.

O perfil pessoal de Aécio Neves pode ajudar a compreender esse comportamento exaltado – no embate direto com uma mulher.

Aécio é um rapaz que só teve facilidades na vida. Filho e neto de políticos, ganhou emprego ainda jovem como assessor parlamentar. Depois, foi nomeado para um banco público. Sempre protegido por papai e vovô. Nunca enfrentou dificuldades pra valer.

Nada parecido com a trajetória de Dilma – que viveu clandestina durante a ditadura, foi presa e torturada.

No debate, era esse o confronto: de um lado uma senhora, com mais vivência, e uma trajetória difícil. De outro, um homem maduro, mas com aparência de garotão, acostumado a ultrapassar todos os obstáculos sem que ninguém ouse confrontá-lo. Um “playboy” – como se costuma dizer.

E há mais que isso. Aécio não parece ser um homem acostumado a tratar as mulheres de igual para igual. As histórias sobre ele, nas noitadas cariocas, indicam que Aécio gosta de companhias femininas que não ameacem sua posição de centro das atenções. “Modelos”, garotas sem grande apetite por debates políticos e intelectuais: essas seriam as companhias femininas do tucano no Rio. Sempre acompanhado por outros garotões da elite carioca.

Pouco antes da campanha eleitoral, Aécio reatou relacionamento com uma namorada. Parece ter sido um relacionamento “produzido” para gerar a imagem de uma família estável. A mulher (que virou a companheira oficial dele) cumpriria o papel de “completar” a imagem pública do político: Aécio, um pai de família respeitável!

Mas quem conhece a trajetória de Aécio sabe que isso não combina muito com ele.

Se o candidato tucano mostrou contrariedade, e abusou da virulência verbal, ao lidar publicamente com uma mulher durante o debate, na vida privada o comportamento dele não parece ser tão diferente.

Pelo menos é a indicação que fica da leitura de um texto do jornalista Juca Kfouri – publicado em 2009. Na época, Aécio disputava a indicação de candidato tucano com José Serra. Juca ficou sabendo de uma história que chocou a chamada “sociedade carioca”. O título do post: “A Covardia de Aécio”.

O jornalista revelou que Aécio teria agredido fisicamente a namorada – na frente de vários convidados – durante uma festa. Aécio jamais processou ou interpelou Kfouri judicialmente. Talvez, porque soubesse que o jornalista contava com testemunhas do ocorrido.

A história jamais foi esclarecida. Mas – se confirmada – pode ajudar a explicar o comportamento agressivo do tucano.  E indica uma personalidade algo explosiva e autoritária – por trás da fachada de garotão mineiro radicado no Rio de Janeiro.

Cordato com os homens, virulento com as mulheres que ousam desafiá-lo: esse parece ser o perfil de Aécio Neves – um político que nunca teve dificuldades nem contrariedades na vida.


É um bom perfil para quem almeja a presidência da República – num país dividido?

No primeiro turno, a imagem já se revelara – quando apontou o dedo em riste (foto acima, na abertura do post) diante de uma pergunta dura de Luciana Genro durante outro debate.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Será que ele nasceu de uma mulher?
Realmente... conduta abominável... Nós, eleitores não estamos votando em misérias pessoais... Nesse momento o que está em jogo é a eficiência em ser gestor/a de um país tão acima de tais mazelas pessoais e familiares! Foi um "telebarraco" conforme li hoje, nos jornais matinais.
Abraço.

Ventura Picasso disse...

Célia - O machismo, o preconceito, o racismo e a crença religiosa, nos transforma, como indivíduos que somos, em inimigos ideológicos. Essa campanha orquestrada pela oposição, a direita neonazista, coloca os brasileiros na situação do salve-se quem puder. A mídia sabe que é uma guerra aberta contra a MULHER presidente, mas no Brasil não existe uma única empresa de comunicação à mostrar alguma sensibilidade a respeito, nem as que são dirigidas por mulheres. A nação, para deixar a Lei Maria da Penha funcionando e protegendo nossas parceiras, está esperando o voto feminino em DILMA! É vida ou morte... abs