27.10.12

Caray !



Mário Moreno - Cantinflas
* Y como decia Napoleón: "El que parte y reparte, le toca su Bonaparte".

"Se você quiser dar o salário pro cara dê. O cargo eu não dou"! Aí a briga começou. 
Como seria o encontro entre Cantinflas e Almodóvar para ler na mesa o roteiro do mensalão?

Oh vida dura! A biografia do ministro Joaquim Barbosa, nos surpreende, ao mostrar sua origem: além de pobre e negro, arrimo de família entre oito irmãos. As variáveis preconceituosas, o racismo daltônico sapateava, buliçosamente, em seu palco. Não há preconceito, entre iguais, no Brasil?

Se por seu lado "comeu o pão que o diabo amassou", por outro socializando a miséria, coisa que só os pobres são capazes reservou, uma fatia daquele pão envelhecido, ao ex-ministro Chefe da Casa Civil José Dirceu.

- É mensalão!
- É caixa dois!

O grande ministro do STF defendeu e ganhou: É mensalão sem Habeas Corpus. A última palavra é a primeira que detém o poder; que manda.

Essa novidade na justiça maior do Brasil criada pelo ministro Joaquim, quer queiramos ou não, nos faz relembrar momentos contraditórios e degradantes, proporcionados por HCs coloridos.

Baseados em parcerias suspeitas, alguns HCs concedidos pela nossa última instância da lei. Lá no fundo do baú, podemos ver, o simpático e divertido banqueiro Cacciola e Dani Dantas, que inspiraram a Súmula Vinculante nº11, popularmente conhecida como "Súmula Cacciola-Dantas, ou o 'adeus às algemas'.

Juízes federais, no entanto, debocham e protestam contra a súmula ridícula.

Roger Abdelmassih, outra aberração 'legal' do velho STF. Estava na cadeia, meteu sob o braço um HC e aterrissou no Líbano. Ele nos deve 278 anos de prisão por ter violentado 37 senhoras.

O despejo coletivo da Comunidade Pinheirinho que ocupava o terreno pertencente à massa falida da Seleta S/A do manjado Naji Nahas, representa uma força estranha conhecida pelos pobres: "A corda arrebenta no lado mais fraco".

Angélica A. S. Teodoro furtou num supermercado um pote de manteiga de R$3,10. Após cinco meses de prisão foi decidido, a seu favor, no Superior Tribunal de Justiça (STJ) um HC de soltura. O juiz não lê a realidade, apenas o Código Penal.

Joaquim Barbosa mineiro de Paracatu encontrou uma mineira de Belo Horizonte, na papelada do Gurgel, presidente do mineiro Banco Rural, Katia Rabello. Minas Gerais é um tapete acobertando um número desconhecido de corruptos. Nada contra o Estado mineiro do leite, do queijo e do Azeredo. Quem conhece sua história e sua geografia, um dos estados mais lindos do Brasil.

J. Barbosa não perdeu a oportunidade, condenou Katia Rabello, na Ação Penal 470. A primeira condenação feminina do STF ninguém esquece. Ela Dançou. Não esquece também o envolvimento 'acidental' do Banco Rural no esquema PC Farias. Há quanto tempo!

O julgamento é político, ideológico e por isso emocional. O trato entre políticos, investidos de mandato ou de cargo executivo, não cabe gentilezas. Solidariedade ou qualquer outra dose que sugira compreensões emocionais, muito menos. O cargo, o espaço ocupado por um quadro, sempre será o objetivo de outrem.

Uma frase forte, finalizando uma cobrança, de alguém que não renunciou: "Se você quiser dar o salário de presidente pro cara, dê; o cargo eu não dou"! Aí a briga começou.

O espaço da justiça em sua instância de poder, como ensinou Montesquieu (executivo;legislativo;judiciário), por direito cabe ao político munido de suas imunidades, defender com seu discurso, contra ou a favor de um objetivo, em seu ambiente público.

O grito do afogado que agarra qualquer coisa para flutuar, partiu da boca de Roberto Jeferson, com o intuito de salvar a própria pele, para liquidar com a carreira política de José Dirceu:

- O chefe do mensalão é Zé Dirceu, bradou Jeferson. Eis a evidência criminosa.   

Em  política, o discurso é volátil, pode ser verdadeiro ou não. Nos tribunais onde se julgam crimes, o aditivo principal são as provas concretas reais e legitimas, para se chegar a um resultado justo. Ouvi dizer que disseram, não presta como prova.

É possível acreditar na palavra de RJ? Há entre os ministro os que acreditam sem o menor esforço: "Bati o olho na porta do armário" falou o deputado. O armário em questão, possivelmente, seja um dos seguranças da Esplanada.

Onde entra Maquiavel, e em que capitulo dessa história, com sua sabedoria política? A luta pelo poder de forças independentes e tão próximas, legislativo e judiciário, ambas ante a precariedade moral, perante a sociedade, o roto punindo o rasgado, num momento de grande exposição midiática, em plena campanha eleitoral a honra do supremo exposta será lavada.

Os brasileiros não aceitam mais presos com colarinho branco sem algemas. Chega! Quem perde na primeira e segunda instância não merece acesso ao STJ, muito menos receber de algum figurão togado um Habeas Corpus dourado.

As reflexões políticas de Machiavelli (1469-1527), sobre corrupção estão presentes em todos os personagens, entre juízes e suspeitos, num formato senoidal e ninguém pode dizer que não é isso. Após o poder  político conquistado justificam-se os crimes de traições, saques, falsidades ideológicas; vender liberdades e propriedades do Estado como se fossem bens privados; Roubar? Nesse meio, "os fins justificam os meios"?

Aguardamos a extinção das coligações e dos partidos nanicos, a eliminação dos cargos comissionados; Queremos o financiamento público de campanha, acabar com as emendas parlamentares, com a frota de automóveis de vereadores, deputados e senadores, com o fim dos apartamentos funcionais e impedir a distribuição farta de dinheiro público entre um coletivo gigantesco de assessores, absolutamente, descartáveis.

Não é pouca coisa, para o próximo presidente do STF o juíz Joaquim Barbosa, tudo é possível. Coragem não lhe falta. Aquela coragem de moleque de rua, aquele moleque que pode mudar a sociedade. Sociedade pobre que precisa de coragem, antes de qualquer coisa, para ser pobre.

O menino ainda não mudou o Brasil - menos, Veja, menos... - Há poucos dias, um dos pares de JB, declarou durante um 'bate boca' emocional, que este não estaria preparado para assumir a presidência do supremo. "Não é assim Joaquim".

Para isso bastam as evidências?

- E as provas?

-Só lá no posto Ipiranga!

* "No sospecho de nadie, pero desconfio de todos".

A desconfiança sufoca nossa consciência. Pensar em crer no supremo, mas com que roupa? De uma hora para outra, Senhor ministro, cede uma exclusiva para a Globo? Furou o esquema - as altas mídias não estão à procura de justiça - a direita quer os préstimos do juiz.

E nós que optamos pelo caixa dois, qual é o nosso caminho, para acreditar e conviver neste universo escandaloso? O juíz Ricardo Lewandoviski quer provas. As evidências são ou não são suficientes? E a razão, o contraditório e a dignidade etc. Coisas estranhas acontecem nesse ambiente habitado por funcionários públicos, otimamente remunerados, que não abdicam nada do "por fora".

Almodóvar faria uma comédia feminina erótica e deliciosa. Lá nas Alagoas, o ex-prefeito Beroaldo pagou no Amanda Night Club, um show erótico, com cheque da prefeitura sem fundos. A gostosona Denise Rocha transformou o gabinete de um senador em locação de filme privé.

O ambiente é pesado. Difícil acreditar que estão acontecendo coisas novas no palco da justiça. Perdoe-nos ministro, mas vamos dar um tempo.

Pra nós os leigos: É caixa dois!

* Cantinflas (1911-1993)
Foto Cantinflas - http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/b/be/Mario_Moreno_-_Cantinflas-2.jpg/200px-Mario_Moreno_-_Cantinflas-2.jpg


Ventura Picasso - Cia dos Blogueiros
 6353 

5 comentários:

Diógenes Afonso disse...

Estupendo! Fantástico! Parabéns!

Grande abraço!

Ventura Picasso disse...

Obrigado Diógenes.
Abração

HAMILTON BRITO... disse...

Realmente amigo, é peciso dar um tempo mas como somos apostadores de carteirinhas, aposto no Joaquinzão e sua turma.
Quanto ao AMÉM, quero deixar claro que a nudez nao me incomoda, principalmente a feminina. Da masculina gosta o Consa, o Heitor Gomes e outros supostos intelectuais. O que me incomodou foi o carinha passar o cruxifixo na genitália em nome de um contexto.Não existe contexto que faça um cristão aceitar esta merda. Se tudo pode em nome da arte pq a academia de letras nao publicou a poesia do Heitor no Experimentânea 8? Por que o Consa ficou puto quando o Heitor recitou MAE NA ZONA na capela do salesiano?
Se vc tem um valore eu o desrespeito, quero ver.Para tudo existe um meio.Quer ,meter o pau na religião, faça-o com classe. E não com baixaria em nome da arte. E depois o Consa ainda diz que eu apelei na na crônica dele. Apelei e apelarei sempre que covarde eu nao sou.

Ventura Picasso disse...

Zemirtus - senti firmeza, cara! Nunca vi vc tão puto - O Quinzão botou fogo no circo e voou pra Alemanha; já vi esse filme com gente menos importante.
Como eu disse: fosse tu muçulmano, na melhor, vc teria estragado a genitália do cara e, depois de salvo o símbolo religioso levaria pro Pd. Marcelo enchaguar. Lavou tá novo!
As ligações da Academia é apenas com a elite econômica, intelectual e rançosa. O Heitor fez sucesso enquanto o GE era independenteo. Qnd a coordenação subiu para os imortais, o circo fechou - tome censura municipal -
Eu não tenho conhecimento do que rola no tapetão, mas lhe garanto, aqui no lado de fora a minha PA é 10X7.
Gostei mais do desabafo do que da bronca - Valeu!

Ventura Picasso disse...

Teste de envio de mensagem 21/11/2012 - 15h32