27.12.13

Adeus Ano Velho




 Adoro o meu país, mas respeito o pensamento de Tim Maia: “O Brasil é o único país onde prostituta tem orgasmo, cafetão tem ciúme, traficante é viciado, e pobre é de direita”.

2013 moribundo. Um ano, para muitos, que não deixará saudades. Mas, lembremos, é impossível apagar as lembranças. Nos últimos momentos de agonia, já não fazem mais concessões, vá em paz Ano Velho, agora fazem doações.

Em breve, a agua da Samar será a mais cara de São Paulo. Não vai ser possível lavar o lixão da Prata. Muito menos o viveiro de urubu do aeroporto de Guararapes, nem nossas praças emporcalhadas por fezes de pombos que contamina o meio ambiente urbano prejudicando nossa saúde.

Não querem saber, lixo é lixo, o terreno já foi pago; A lei? Ora, a lei!


Doações milionárias de empresas aos políticos ou partidos, em campanha eleitoral, nunca foram doações, apenas inocentes subornos. Os políticos não podem viver sem elas. Há uma verdadeira paixão pelas benesses dessas empresas, construtoras e bancos. Por isso o congresso é contra o financiamento público de campanhas.

A primeira barcaça do Estaleiro Rio Tietê está n’água. O ERT informou aos curiosos que o equipamento não corre risco de afundar, como supunham, são apenas testes operacionais.

Correm riscos de naufrágio os articuladores, estes, como se diz atualmente, ‘juntos e misturados’ (Estaleiro, lixão e governo) abraçados se debatem. Quem juntou tudo no mesmo parágrafo foi o Procurador da República Paulo de Tarso Garcia Astolphi.

Num passado não muito distante, além de receber da prefeitura um terreno, no escurinho a beira do Tietê, a Cooperhidro sublocou a área indevidamente ao Estaleiro.

Queimou o filme. Deram muita sorte ao azar. A subprocuradora geral da República Denise Vinci Túlio, chefiando um pelotão de procuradores federais especialistas em peculato e improbidade administrativa etc., está revirando o galinheiro, cheirando tudo que é brecha à procura do rabo do tatu bola. Por que bola?   

Haja paciência para ouvir histórias. E para contar. Os procuradores, sem pressa, querem saber tintim por tintim a historinha do terreno, da negociata e do trambique. Concordo que, esses locadores, levaram um grande susto; Foi estabelecida a neurose!

Cá pra nós, alugar o que não é privado para uma empresa mista, é projeto de grileiro doido.

E agora? Vai privatizar fazer leilão, concessão ou terceirizar? O espaço público será reduzido; Em breve Araçatuba será particular. Se não tem governo, pra que políticos?  

O presidente da cooperativa, por coincidência, é secretário do governo, devolveu o que não era legalmente alugável; o executivo, aos gritos, chamou o secretário:

*― Divinooo, avisa o 01!
Pelo celular da bancada, o capitão Nascimento recebeu a ordem e imediatamente ordenou:
― 02 doa logo a porra desse terreno! Entendeu...? Entendeu? Preciso repetir sua anta?
― Não senhor.
Imediatamente 02, retornou ao comandante:
― O aluguel atrasado como fica Cap?
― Põe na conta do Papa fdp! *Censura Federal: Qualquer semelhança é mera coincidência.

Tudo isso é perfumaria. Administrar uma cidade, para certos tipos políticos, é um grande negócio.

2013, morreu... “La vieille année est mort”! - Araçatuba resiste.

É Ano Novo! Amanhecemos no lixo, com cheiro de lixo e sem sombra; Faltam 40 mil árvores? 

Seja Benvindo, 2014!  

“As dívidas de gratidão prescrevem logo após o favor obtido”. W. Bernardes

À demain; Já vou indo procurar moedas, pra pagar uma vaga à vista na Zona!

2935

Foto Avião - https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTUK-oE-VY56CS7rQfNt8u9imMVo_jn40F_Asbaa5r8eJE8uP8wuA


 

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Parabéns, Ventura Picasso!
Em tempos bicudos... em que uns e outros ainda disputam onde e como querem ser "clientes prisionais"... Araçatuba tornar-se privè... será encarado como "normal"...
Abraços de Ano Novo,
Célia.

Ventura Picasso disse...

Oi Célia - qnt tempo - essa é a minha impressão. Durante as passeatas de junho, Araçatuba foi à rua, apoiando o Mov. Passe Livre da capital. Com tantos problemas domesticos, um liberou geral entre os políticos, o movimento, como vc diz, acha normal.
Grande abraço e Feliz Ano Novo!